27 de junho de 2016

Camilo Santana diz que não deixará o PT de forma alguma

Camilo Santana e Roberto Cláudio cumpriram agenda juntos noite do sábado e, como tem sido rotina, voltaram a trocar elogios (Foto: Evilázio Bezerra)
“De forma alguma”, respondeu o governador Camilo Santana (PT) ao ser questionado pelo jornal O POVO se deixaria o PT para apoiar a candidatura do prefeito Roberto Cláudio (PDT) à reeleição, no pleito municipal de outubro. Ele havia deixado a dúvida no ar quando questionado, na semana passada, se não descartaria a possibilidade de desembarcar da legenda. 

A legislação eleitoral não permite que a maior liderança do PT estadual suba ao palanque para pedir votos para RC, ou grave programas na campanha do PDT, já que a sigla lançou, a contragosto de Camilo, a pré-candidatura da deputada federal Luizianne Lins à sucessão ao Paço Municipal.

A negação de que poderia se desfiliar do Partido dos Trabalhadores foi dada durante mais um ato administrativo na presença do prefeito de Fortaleza, na entrega da revitalização de praça no bairro Vicente Pinzón. Os encontros públicos têm sido cada vez mais frequentes nos últimos meses entre as duas lideranças.

Sobre a forte ligação de Camilo com Roberto Cláudio, o líder da oposição ao prefeito na Câmara Municipal de Fortaleza, vereador Ronivaldo Maia (PT), defendeu a neutralidade do governador no processo eleitoral já que a possibilidade do gestor de apoiar o nome da legenda é quase remota.

“Se ele não vai sair do PT, que ele respeite então a decisão do partido. Só aceitamos elogios ao prefeito se ele sair do PT. Se ele ficar no PT, ou apoia a Luizianne ou fica resignado”, afirmou.

Um dos maiores defensores da candidatura própria da sigla, o vereador, no entanto, ainda nutre o desejo de aproximação com o governador através do deputado federal José Guimarães (PT), vice-presidente nacional do partido.

Aliado ao grupo político liderado pelos irmãos Ferreira Gomes, o prefeito, em 2014, saiu às ruas pedindo votos para o então deputado estadual e ex-secretário de Cid, durante a acirrada eleição para o governo estadual.

O esforço de Roberto Cláudio não foi suficiente para a vitória do petista nas urnas na Capital, mas deixou um gesto que Luizianne, correligionária de Camilo, não esteve disposta a oferecer.

Liderança na Capital, a ex-prefeita se absteve de fazer campanha para o governo em razão de o candidato, embora colega partidário, ser apadrinhado de Cid Gomes, seu desafeto político.

Com pouca representatividade dentro do partido na Capital, o governador praticamente não participou das discussões internas para 2016.

Com informações O Povo Online