1 de junho de 2016

Jovens criticam “descuido” com patrimônio histórico e cultural altaneirense

O compartilhamento de quatro imagens de imóveis construídos no início do século passado postadas pelo professor José Nicolau reacendeu a discussão sobre o descuido com o patrimônio histórico e cultural de Altaneira.

“Umas das poucas casas em Altaneira que ainda resistem as mudanças. Modelos de construções que remontam ao século passado e que fazem parte da história e da cultura da cidade!!!!!” escreveu Nicolau ao compartilhar suas imagens.

Para estudante Fran Oliveira o desaparecimento dessas estruturas, se deve a falsa ideia de evolução moderna.

Pedro Rafael Pereira concordou com a tese e lembrou que a falsa evolução está criando na cidade casas em formato de catacumbas ao invés das fachadas inspiradas nos estilos holandeses, portugueses e espanhóis dos séculos passados e que foram adotadas pelo povo nordestino.

“Aos poucos nossa história vai se perdendo e nada é feita com relação a políticas públicas que incentivem a continuidade/reforma/restauração ou mesmo a reconstrução pelo menos das fachadas daquelas que já foram destruídas” comentou Pedro.

Para Nicolau Neto umas das saídas emergenciais seria um trabalho efetivo do Conselho Municipal de Cultura em parceria coma Secretaria Municipal de Cultura visando a construção da Casa do Patrimônio no município, colhendo opiniões e a participação da população para preservar o patrimônio público, dialogando com os donos dos imóveis.

Já Julio Eufrasio disse que se o poder municipal utilizar-se um prédio desses antigos para fazer um museu já seria um grande passo para resgata a história de Altaneira. “Tenho certeza que muita gente iria contribuir com peças que conte a historia da gente. já seria um grande passo para valorização da arquitetura antiga da nossa cidade” escreveu.

Fran Oliveira aproveitou o tema para criticar outros projetos como a urbanização da lagoa. “Isto ocorre com os prédios e os patrimônios naturais também, essa insistência de urbanizar a Lagoa Santa Tereza por exemplo, altamente desnecessária. Superestrutura até então tida como modernizadora não é solução. Uma simples e eficiente revitalização basta. Assim como os prédios, uma preservação estrutural faz a diferença”.

Nenhum agente do Governo Municipal comentou a postagem do professor José Nicolau.

A destruição do patrimônio histórico e cultural de Altaneira foi denunciada em postagem do BA, mas nada foi feito nos últimos anos.