19 de abril de 2017

O governo fraco que se diz forte por Guálter George

Temer começa a enfrentar dificuldades na base (Foto: Lula Marques)
O mercado, que tanto confia na força do governo Temer dentro do Congresso Nacional, recebeu alguns maus sinais de Brasília ontem. Um deles através de um conjunto de recuos na proposta de reforma previdenciária, alterada em vários pontos, inclusive naqueles que o Palácio do Planalto apontava, inicialmente, como intocáveis. Por exemplo, a idade mínima, que já desceu a 55 anos em casos como dos policiais civis.

Um belo exemplo de exceção que outros setores laborais certamente irão seguir, atrás de um tratamento semelhante junto a articuladores governistas que já não parecem tão seguros quanto antes. Mais ainda depois da derrota na atabalhoada tentativa de cortar tempo na tramitação na Câmara da outra reforma estratégica, a trabalhista, aprovando o regime de urgência. O plenário disse “não”, oferecendo apenas 230 dos 257 votos necessários.

A síntese dessa terça-feira política é trágica para o presidente Michel Temer, porque expôs as dificuldades que terá para entregar o que tem prometido aos fiadores de seu frágil governo.

Publicado originalmente no portal O Povo Online