10 de abril de 2017

Grupo de Luizianne deve perder PT de Fortaleza após quase 20 anos

Deodato Ramalho, Luizianne e dirigentes em foto de arquivo do PT
O grupo do PT Fortaleza ligado à deputada federal Luizianne Lins pode perder o comando do partido na Capital após quase 20 anos de hegemonia. Resultado extraoficial da eleição do Processo de Eleições Diretas (PED) da legenda, realizado ontem, aponta vitória do vereador Acrísio Sena para a presidência da sigla por diferença de apenas três votos.

Resultado oficial, no entanto, só deve ser divulgado após a análise de um recurso apresentado na abertura das urnas. A executiva estadual do partido deverá se reunir na próxima terça-feira, 11, para julgar o questionamento feito. Os filiados ao PT têm até até a próxima sexta-feira, 14, para apresentar novos recursos.

Caso o resultado anunciado por Acrísio se confirme, a deputada Luizianne sofre nova derrota política em seu ninho eleitoral. Após a derrota na eleição para a Prefeitura de Fortaleza, no ano passado, a perda do comando do partido significa enfraquecimento do seu grupo desde a reeleição do prefeito RC.

Acrísio, ao contrário da deputada, tem proximidade com o prefeito e chegou a trabalhar para a reeleição do pedetista no segundo turno de 2014, contra o deputado Capitão Wagner (PR).

O adversário de Acrísio, o ex-vereador Deodato Ramalho, ligado à ex-prefeita Luizianne, criticou o processo eleitoral interno e falou em “interferência acintosa” do gabinete do prefeito Roberto Cláudio (PDT) no processo eleitoral do partido. “Houve tentativa de agressão a mim por um assessor da Prefeitura. Tinha no mínimo umas cinco pessoas dentro do ambiente da eleição”, critica.

De acordo com o vice-presidente do PT de Fortaleza, Raimundo Ângelo, militantes do PDT e do PRTB, partidos da base de RC na Câmara Municipal, interferiram no processo eleitoral. “Militantes externos tentaram agredir o candidato a presidente do partido”, disse.

Falando como vitorioso, o vereador Acrísio adiantou que deverá colocar no debate interno a possibilidade de um novo posicionamento da sigla em relação ao governo de RC.

Atualmente na condição de oposição à Prefeitura, o candidato quer que os parlamentares sejam “independentes” para apoiar ou criticas as ações de RC.

O PT segue na oposição ao prefeito RC desde a saída de Luizianne Lins da gestão municipal, em 2012. A legenda acabou perdendo espaço na composição da Câmara ao eleger apenas dois nomes na eleição de 2016.

O próprio Deodato Ramalho, candidato da ex-prefeita e crítico de RC, não conseguiu se reeleger para vaga na Câmara Municipal de Fortaleza.

Segundo boletim apresentado pelo vereador Acrísio Sena, a candidatura dele alcançou 1.509 votos, contra 1.506 do adversário, o ex-vereador Deodato Ramalho.

Após esses números começarem a circular na sede do partido, diversos militantes ligados à ex-prefeita começaram a criticar, através de gritos de guerra, uma possível vitória de Acrísio. “Ferreira Gomes na presidência do PT” e “Esse partido não é do Roberto Cláudio” foram pronunciados durante a apuração.

Houve bate-boca entre militantes no calor do momento e ameaças entre os dois lados.

Tentando minimizar o clima de tensão, o deputado José Guimarães afirmou que o processo interno do PT era único e que a divergência era comum nas discussões do partido.

A ex-prefeita Luizianne estava em Fortaleza, mas não compareceu ao local. Enquanto o grupo de Acrísio cantava vitória antes do tempo, o grupo da deputada falava em recurso.

Com informações O Povo Online