30 de dezembro de 2018

Camilo anuncia mais três nomes para secretariado; lista chega a 13 titulares

Camilo entregou conjunto habitacional em Pacatuba (Foto: Mauri Melo)
O governador Camilo Santana (PT) anunciou ontem (29/12) a permanência de mais três nomes do seu secretariado. Atual titular da Secretaria da Cultura (Secult), Fabiano Piúba segue na pasta em 2019. Lúcio Ferreira Gomes, irmão de Ciro e Cid Gomes (PDT), continua à frente da Secretaria da Infraestrutura (Seinfra) e Juvêncio Vasconcelos Viana segue à frente da Procuradoria-Geral do Estado.



O jornal O POVO já tinha noticiado em primeira mão os nomes dos integrantes da equipe econômica do novo governo, cuja posse está marcada para depois de amanhã: Maia Jr. (Desenvolvimento Econômico), Mauro Filho (Planejamento e Gestão) e Fernanda Pacobahyba (Fazenda) - a novidade entre os auxiliares do governador.

Até agora, o petista fechou indicações para 13 secretarias e três assessorias especiais com status de secretaria que estão abrigadas na estrutura da Casa Civil: Relações Institucionais, (Nelson Martins), Comunicação (Chagas Vieira) e Relações Internacionais (César Ribeiro) - este último antecipado com exclusividade pelo "Blog Jocélio Leal".

Foram oficialmente confirmados também Élcio Batista (Casa Civil), Socorro França (Proteção Social, Justiça e Direitos Humanos), Luís Mauro Albuquerque (Administração Penitenciária), Arialdo Pinho (Turismo), André Costa (Segurança Pública e Defesa Social), Carlos Roberto Martins Rodrigues (Saúde) e Francisco de Assis Diniz (Desenvolvimento Agrário).

Restam ainda oito pastas a serem preenchidas: Cidades, Ciência e Tecnologia, Recursos Hídricos, Esporte e Juventude, Meio Ambiente, Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado, Educação e Controladoria-Geral de Disciplina de Órgãos de Segurança Público e Sistema Penitenciário. A intenção do governador é apresentar os titulares até amanhã.

Após reforma administrativa, o Governo reduziu o número de secretarias de 27 para 21, atendendo à necessidade de corte de gastos num cenário de imprevisibilidade fiscal e política. A previsão inicial era enxugar ainda mais a máquina, deixando o primeiro escalão com apenas 15 nomes.

Questionado ontem se o arco de alianças com 24 partidos durante a disputa que o reelegeu tem sido obstáculo para a formação do novo governo, Camilo negou.

"De forma alguma. Está sendo escolha pessoal do governador", respondeu durante evento de entrega do residencial Orgulho do Ceará II, no município de Pacatuba, na região metropolitana de Fortaleza.

Com os nomes já apresentados, Camilo contemplou grupos específicos dentro do governo - os "padrinhos" Cid e Ciro e o próprio PT, que tinha expectativa de pelo menos manter os espaços da legenda no novo mandato.

Com informações portal O Povo Online

Leia também: