18 de dezembro de 2018

Dona Baiá e o poço de água cristalina que abasteceu Altaneira

Natural do sítio Caboclo, em Crato, a senhora Maria Joana da Conceição, 98, mora desde a década de 1960 em Altaneira. Talvez você a conheça melhor como Dona Baiá, a dona do poço de água sem fim.

Sabendo da origem de água no chão, Baiá pediu para a filha cavar no quintal de casa um poço d'água. Na época, água era difícil de se encontrar e ter a facilidade da água encanada era um sonho.

De tanto querer, o chão deu a Baiá água tão cristalina que toda a cidade buscava ali, em baldes e garrafas, o que beber.

Ela lembra que a escavação não foi de agrado de todos, mas todos gostaram depois.

Um dia, enquanto a filha cavava, o prefeito mandou parar a obra por temer que alguém "fizesse uma arte" no poço. "Se alguém cair e fizer uma arte tá feito. Todo mundo tá vendo que ela tá cavando", teria dito Baiá. E ainda mais: "O único homem que tenho é a mulher, minha filha, e a mulher é esperta".
O poço em seu quintal (Fotos: Alana Soares)
Até a data de hoje, 2019, Dona Baiá desfruta da água sem fim do poço. Tão confiante é em seu poço encantado que a senhora e família não se preocuparam em instalar rede de água em casa. Muito menos torneira na pia. Já baldes e baldes de água do poço não faltam próximo à cozinha.

Ela conta que nunca faltou água no poço porque ele deveria servir para todos que precisassem. Baiá não tem casarão ou fortuna. Rica de vida e espírito, talvez seja a água e o espírito de cidadania que mantenham a senhora de 98 anos com tamanha vitalidade.

Ainda hoje sem torneira em casa (Foto: Alana Maria)