8 de julho de 2014

O que eles prometem

Painel com os postulantes ao Governo do Estado do Ceará (Fotos: TSE)
A julgar pelos planos de governo dos quatro candidatos à sucessão do governador Cid Gomes (Pros), a segurança pública será discutida por enfoques diversos. Desde a continuidade com aperfeiçoamento, defendida pelo governista Camilo Santana (PT), até as mudanças radicais apresentadas por Aílton Lopes (Psol). 

Reconhecendo que alguns índices “não progrediram da forma esperada” nos últimos anos, o plano de Camilo prevê “estudar o fortalecimento do Ronda do Quarteirão”. O programa de policiamento comunitário foi um dos grandes destaques da primeira campanha de Cid ao governo, em 2006. Mas, ao longo de seus mandatos, caiu na avaliação da população e virou munição para opositores.

O plano de Camilo inclui ainda a consolidação do Programa Em Defesa da Vida, inspirado no Pacto pela Vida, desenvolvido pelo então governador de Pernambuco Eduardo Campos, atual candidato do PSB a presidente.

Outra promessa de Camilo é a criação de comitês de pesquisa e estratégia em segurança e de avaliação das necessidades dos policiais, como planos de saúde e de cargos e salários.

O ex-aliado do governo Eunício Oliveira (PMDB) promete “reorganizar as polícias”, sem detalhes, e “aumentar a mobilidade e a presença dos policiais nas ruas”, além de reformar e ampliar a rede de unidades prisionais do Estado e também a “infraestrutura de atividades vocacionais e produtivas nos presídios”.

O peemedebista diz pretender nortear sua política de segurança pelo “binômio gente e gestão”, o que compreende também investimento na inteligência policial e valorização dos agentes.

O Pacto pela Vida de Eduardo Campos é citado como modelo pela candidata do PSB no Ceará. Eliane Novais promete, sucintamente, “rever e fazer os ajustes indispensáveis na política de segurança pública, orientando-a segundo o princípio do Pacto pela Vida do Estado de Pernambuco”.

Aílton Lopes, por sua vez, defende a desmilitarização da Polícia Militar e o “controle popular dos órgãos de segurança”, sem detalhes. O candidato do Psol se declara contrário às experiências da Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e, apesar de o assunto não ser da alçada estadual, se posiciona contra a redução da maioridade penal.

O plano de governo de Aílton defende ainda a legalização das drogas, “como parte da solução do problema do extermínio de nossa juventude”.

Com informações O Povo Online