11 de julho de 2014

Procurador tenta impugnar candidatura do deputado Roque

O Ministério Público Eleitoral (MPE) do Ceará encaminhou ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) Ação de Impugnação de Registro de Candidatura do deputado Sineval Roque (Pros).

O deputado Roque desde a sua primeira candidatura em 1998 sempre pontuou entre os mais bem votados em Altaneira e neste pleito deve ser o primeiro colocado, pois conta mais uma vez com o apoio do atual prefeito Delvamberto Soares (Pros). 

Na ação o procurador sustenta que na campanha de 2010 para a Assembleia Legislativa o deputado Roque recebeu doação acima do limite legal de uma de suas empresas, no caso a Distribuidora Roque, estabelecida em Crato.

“As contas foram aprovadas com essa ressalva da doação. Foi cobrada uma multa e a empresa está pagando. Acredito que a Justiça não vai deixar de liberar o registro”, afirmou o deputado ao jornal O POVO.

Além de Roque o ministério ajuizou ação contra a deputada Mirian Sobreira (Pros) e a atual suplente Ana Paula Cruz (PHS), candidatos à Assembleia Legislativa.

O questionamento à candidatura de Ana Paula Cruz é fundamentado na reprovação, pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), de contas do exercício de 2001 de sua gestão como secretária de Ação Social de Juazeiro e em relação à Mirian Sobreira também se deu por doações de campanha acima do limite legal.

Segundo o Procurador Regional Eleitoral do Ceará, Rômulo Conrado, outras cinco impugnações seriam encaminhadas ontem ao TRE ontem. Ele não quis dar os nomes dos citados.

O MPE está analisando os 808 pedidos de registro para as eleições estaduais deste ano para verificar se há elementos que possam levar à inelegibilidade dos concorrentes. Até o próximo sábado, o MPE, partidos e candidatos podem propor ações para que o TRE negue registro aos postulantes.

Rômulo Conrado afirmou que dará entrevista coletiva no sábado, 12, para divulgar os nomes de todos os candidatos impugnados nas eleições deste ano no Ceará. No pleito de 2010, segundo ele, cerca de 40 candidaturas foram questionadas.

O TRE tem até 12 de agosto para julgar todas as impugnações. Se condenados, os candidatos podem recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).