29 de novembro de 2014

PT pede a Dilma que “entenda o recado das urnas”

Dilma discursa diante de lideranças petistas em Fortaleza (Foto: Fábio Lima)
Reunida em Fortaleza, ontem e neste sábado, para fazer um balanço das eleições, a cúpula nacional do PT elaborou um documento em que pede mudanças no segundo mandato da presidente reeleita Dilma Rousseff. 

O partido pede que Dilma “entenda o recado das urnas”, para que possa avançar nas mudanças: “Para afastar manobras golpistas e assegurar à presidenta Dilma um segundo mandato ainda melhor que o primeiro, é preciso entender o recado das urnas: o povo quer mudanças e confia que nosso governo deve fazê-las, pois foi com Lula e Dilma que as mudanças se iniciaram”.

O texto faz acenos a sindicatos e movimentos sociais (fala em redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, fim do fator previdenciário, reforma agrária e revisão da Lei da Anistia) para “compensar” a escolha da nova equipe econômica, considerada “liberal”. O futuro ministro Joaquim Levy foi alvo de críticas de alguns setores do PT durante a reunião.

Os dirigentes prometem divulgar, hoje, uma resolução dedicada ao tema corrupção, separada das questões políticas. Os documentos serão submetidos ao Diretório Nacional, ao final do encontro.

A proposta de resolução afirma que esta eleição “foi a mais difícil já disputada”. Diz ainda que o PT foi alvo de “um vendaval” de acusações. “O partido tem que retomar sua capacidade de fazer política cotidiana, sua independência frente ao Estado e ser muito mais pró-ativo no enfrentamento das acusações de corrupção, em especial no ambiente dos próximos meses, em que setores da direita vão continuar premiando delatores”, diz o texto.

A abordagem resumida pelo presidente da sigla, Rui Falcão atenua a versão original apresentada pelo secretário-geral do PT, Geraldo Magela, que tinha quatro parágrafos. Ele dizia que “um dos mais importantes compromissos da nossa presidenta e de nosso partido foi o combate sem tréguas à corrupção”.

Mas lamentava: “Saímos da situação de partido que mais tinha compromisso com o combate à corrupção para sermos o mais identificado com a corrupção, o que é injusto e inadequado”.

A reforma política e a regulação da mídia aparecem como as principais bandeiras do PT nos próximos anos. Segundo petistas, Dilma prometeu uma consulta pública para discutir a democratização dos meios de comunicação no segundo semestre de 2015.

Com informações O Povo Online