26 de dezembro de 2016

A cadeira maldita

No próximo domingo (01/01) às 16h. os vereadores eleitos e diplomados se reunirão em Sessão Solene para suas posses e para a posse do prefeito e vice-prefeito eleitos em Altaneira.

Após a posse serão eleitos os membros da Mesa Diretora da Câmara Municipal, dentre eles o presidente, um dos cargos mais cobiçado pelos políticos altaneirenses, que inclusive já gerou grandes discórdias, traições e derrotas eleitorais para seus titulares ou desistências de candidaturas.

O último acordo de sucessão cumprido na Câmara Municipal de Altaneira se deu em 1990, quando o vereador Mundim Soares foi eleito presidente e dois anos depois cumpriu o compromisso e apoiou o seu colega Raimundo Rufino eleito com oito dos nove votos.

Em 1993 o vereador Ivanildo Cidrão foi eleito presidente com o compromisso de apoio ao parlamentar Zé de Enéias, ambos do PDT, mas às vésperas da votação o presidente declarou apoio ao vereador apoio a Zé Arrais (PSDB). Zé de Enéias foi eleito presidente com o apoio da oposição.

Na Legislatura seguinte (1997/2000) a vereadora Damares Arrais (PSDB) foi eleita presidente com o compromisso de apoio no segundo mandato ao vereador Albino Alves do mesmo partido. Sem ampla discussão a presidente aprovou alteração na Lei Orgânica Municipal e foi reeleita para o segundo biênio no comando Legislativo.

Já em 2001 a disputa para o comando do Legislativo foi tranquila, pois seguia uma eleição de candidato único para prefeito e o vereador Raimundo Rufino foi eleito e reeleito sem dificuldades, pois o único que se apresentou candidato foi o vereador Antonio Dorival que não conseguiu apoio de nenhum parlamentar.

Por sua vez em 2005 a disputa para o comando do Legislativo iniciou com um empate na disputa entre o vereador Deza Soares (PPS) e Raimundo Rufino (PSDB), fato testemunhado por uma pequena participação popular. Em nova votação o vereador Raimundo Rufino foi eleito presidente.

O histórico de traição volta na eleição para sucessão, com a chegada ao grupo de oposição do vereador Raimundo Nonato (PSDB) em 2006. Um acordo foi firmado no sentido de que o vereador que conseguisse três votos no grupo seria o candidato a presidente. Sem apoio dos colegas o ex-tucano se colocou como candidato independente, mas negociou seu apoio a reeleição do presidente Raimundo Rufino.  

Uma hora antes da Sessão o grupo de oposição decidiu apoiar o vereador Raimundo Nonato que comunicou ao atual presidente que não mais poderia contar com o seu voto. o ex-tucano Raimundo Nonato foi eleito presidente com os votos dos vereadores de oposição.

Em 2009 o vereador Raimundim é descartado como candidato do grupo de situação fecha acordo com a oposição, mas três dias depois comunica que será candidato pela situação. Dois anos depois trai seu grupo político e é reeleito com o apoio do grupo de oposição.

O pior aconteceu na atual Legislatura. Sem liderança junto aos vereadores eleitos, o prefeito reeleito Delvamberto Soares tenta fazer um acordo para agradar quatro dos cinco parlamentares, excluindo apenas a vereadora Alice Gonçalves, esposa do vereador Raimundim.

O acordo era o seguinte: os quatros parlamentares se revezariam no comando do Legislativo nos quatro anos de mandato. A escolhida para o primeiro ano foi a vereadora Lélia de Oliveira (PCdoB), considerada uma amiga fiel do prefeito e do vereador Deza Soares líder de seu partido. Lélia inclusive mereceu menção honrosa no discurso de posse do prefeito. Lélia foi eleita na primeira Sessão de 2013.

Ocorre que no mesmo ano, antes da data marcada para a renúncia da presidente, esta comunicou que seu partido não concordou com os termos do acordo e não poderia renunciar. Novo acordo foi firmado para eleição do vereador Antonio Leite. No dia da eleição a vereadora Lélia mais uma vez traiu o grupo e poucos minutos antes do início da Sessão comunicou que seria candidata a reeleição. Lélia foi reeleita com os votos da bancada da oposição.

O sucesso na eleição da Mesa Diretora quase sempre se transforme em derrota, desistência ou impedimento nas eleições posteriores como se vê nos seguintes casos:
"1) Ivanildo Cidrão, Damares Arrais e Raimundim desistiram da carreira política;

2) Zé de Enéias, Raimundo Nonato e Lélia de Oliveira foram derrotados nas urnas."

Outro ponto que marca a passagem dos vereadores pela Presidência da Câmara Municipal é que quase todos são relacionados na famosa Ficha Suja do TCM.

Este ano ainda não foi divulgado nenhum acordo para a disputa da Presidência da Câmara Municipal de Altaneira.