23 de dezembro de 2016

Temer diz não pensar em renúncia

O presidente Michel Temer afirmou ontem (22/12) que não pensa em renunciar ao cargo e que vai recorrer com “recursos e mais recursos” caso o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) julgue procedente a ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer.

“Não tenho pensado nisso”, disse Temer durante café da manhã com jornalistas no Palácio da Alvorada. “Havendo uma decisão, haverá recursos e mais recursos”, completou Temer.

O presidente, porém, ressaltou que será “obediente” à decisão final do Judiciário seja ela qual for.

No primeiro semestre do ano que vem o TSE deve julgar uma ação protocolada pelo PSDB, hoje na base de Temer, pedindo a cassação da chapa PT-PMDB por suposto abuso de poder político e econômico nas eleições presidenciais de 2014.

Citado por pelo menos três delatores da Odebrecht por supostas práticas ilegais, Temer afirmou que não se “insurgiu” contra a Operação Lava Jato, mas que não se pode “soltar uma delação por semana”. “Pedi que se acelere o processo”, ressaltou o peemedebista.

O presidente admitiu que vazamentos do conteúdo das delações da empreiteira “cria um clima de instabilidade no país” ao atingir o coração de seu governo, com citações a seu nome e ao de dois de seus principais auxiliares, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Parcerias e Investimentos).

Mesmo assim, Temer garantiu que não vai afastar Padilha do cargo. “Não tirarei o chefe da Casa Civil. Ele continua firme e forte à frente da Casa Civil. Não haverá mudança nenhuma”, afirmou o presidente.

O presidente, porém, deixou em aberto a possibilidade de fazer uma reforma ministerial no ano que vem para agradar a aliados insatisfeitos com pouca participação no governo.

“Não sei o que vai acontecer lá na frente mas não há intenção, nesse momento, de fazer qualquer alteração ministerial”, completou.

Temer disse ainda que está aproveitando a impopularidade de seu governo para tomar medidas consideradas impopulares, mas que, na sua avaliação, são “necessárias ao país”, como as reformas Trabalhista e da Previdência.

“Um governo com popularidade extraordinária não poderia tomar medidas impopulares”, afirmou o presidente. “Estou aproveitando a suposta impopularidade para tomar medidas impopulares”, completou.


Com informações O Povo Online