9 de fevereiro de 2015

A fuga das inteligências

A expressão “tem cearense em todo lugar” ganha dimensão em um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea): 28.735 pessoas de alta escolaridade emigraram do Ceará, entre 2005 e 2010. Considerando o número de imigrantes de alta escolaridade (26.858), no mesmo período, o Estado perdeu 1.877 universitários, mestres, doutores, pós-doutores, enfim, inteligências. 

A pesquisa “A migração como fator de distribuição de pessoas com alta escolaridade no território brasileiro” foi elaborada, por técnicos do Ipea, com dados do Censo Demográfico 2010 – o último realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os técnicos consideraram todas as pessoas com 18 anos ou mais e que ingressaram na universidade ou já seguiam adiante. O jornal POVO obteve os dados relativos ao Ceará.

Das 33 microrregiões cearenses definidas pelo IBGE, 22 tiveram saldo negativo em relação à migração de pessoas de alta escolaridade; ou seja, perderam mais qualificação do que ganharam. A microrregião de Fortaleza, que compreende nove municípios, teve maior perda: 14.107 pessoas foram embora ao tempo em que 13.680 imigraram. Perdeu inteligências para Brasília até Porto Nacional (município do Tocantins), e o prejuízo pode se tornar maior. “Sem a refinaria, vai ter um impacto. Pessoas que iriam para Fortaleza não vêm mais”, calcula o economista Herton Ellery Araújo, um dos autores da pesquisa do Ipea.

“Migração é um processo espontâneo. Mas, quando você vê um lugar perdendo muita gente, está acontecendo alguma disfunção. Ou é a violência, ou o mercado não está absorvendo bem...”, atenta Herton. Qualidade de vida e salários altos atraem tanto os jovens quanto os mais velhos. Perde-se tanto inovação quanto experiência. “A pessoa de alta escolaridade busca conhecer mais os mercados. Tem uma percepção de outros centros que podem dar maior oportunidade para ele”, conclui.

Para o professor e pesquisador Mauro Oliveira, articulista do jornal O POVO e idealizador dos projetos Pirambu Digital e Aracati Digital, a área de Ciência e Tecnologia, por exemplo, sofre a migração “em vários níveis: dos bairros pobres para os bairros ricos, do Interior para a Capital, da Capital para o Centro-Sul e para outros países”. Faltam políticas de valorização das inteligências locais e “a percepção de quem tem mestrado e doutorado poder melhorar a sociedade”, soma.

“O Ceará é o estado que mais envia alunos para os dois principais centros de pesquisa tecnológica do Brasil, ITA e IME. Boa parte desses alunos vão e não retornam porque não encontram, aqui, condições de trabalho e pesquisa”, dialoga o economista Marcos Holanda. Ele defende mais infraestrutura e ousadia como atrativos: “Não é só criar um parque tecnológico, tem que ter uma coisa mais ambiciosa, oferecer bolsas de pesquisa diferenciadas”.

Estímulo e apoio ao empreendedorismo podem ser caminhos de voltas, sugere o diretor-presidente do Parque de Desenvolvimento Tecnológico da Universidade Federal do Ceará (Padetec/UFC), Afrânio Craveiro: “A grande motivação é o próprio Estado do Ceará. As pessoas não vão retornar se não tiverem condições de desenvolver o trabalho aqui”. “Um dos problemas do Ceará e do Brasil é a falta de incentivo à inovação, ao empreendedorismo”, concorda o professor José de Paula Barros Neto, diretor do Centro de Tecnologia da UFC. “Precisamos criar desafios, que é um dos motivadores das pessoas inteligentes. Criar meios para que as pessoas se desenvolvam a partir de projetos impactantes e desafiadores”.

Os caminhos da volta também passam pela cultura, aponta Mauro Oliveira. “Chico Anysio dizia que, para fazer sucesso no Ceará, tem que fazer sucesso lá fora. A questão cultural tem sido um elemento de fuga”, cita. Além disso, ele acrescenta, “há falta de consciência, cada um cuida de si. O camarada, mesmo tendo sido financiado pelo poder público, não está nem aí... Depois de descobrir os talentos, tem que desenvolver a consciência da responsabilidade social”.


Com informações O Povo Online