13 de fevereiro de 2017

Chuvas do final de semana foram as maiores do ano no Ceará

O Ceará registrou neste fim de semana as maiores chuvas do ano. Apesar de bem distribuídas, elas não representaram aporte significativo para os principais açudes do Estado. 

O Castanhão voltou a aumentar o volume por dois dias consecutivos, o que não ocorria desde abril do ano passado. Contudo, o maior reservatório que abastece os cearenses passou de 4,93%, na última sexta-feira (10/02), para 4,96% da capacidade total ontem (12/02). 

Para gestor de bacias, é cedo para enxergar as chuvas com otimismo. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) indica mais precipitações para os próximos dias.

O cenário climático deste fim de semana segue o prognóstico divulgado em meados de janeiro pela Funceme. À época, o presidente do órgão, Eduardo Sávio, apontou que a quadra chuvosa deste ano deve aliviar o peso dos cinco anos consecutivos de seca. Entretanto, pode não abastecer satisfatoriamente os grandes açudes. Conforme o meteorologista da Funceme Raul Fritz, as últimas chuvas marcam “de maneira bem típica” o início da quadra, já que foram influenciadas pela Zona de Convergência Intertropical (ZCI) — principal sistema indutor de precipitações no Estado.

As chuvas mais intensas começaram na sexta-feira, 10, e atingiram 81 municípios. Os postos de medição em Porteiras registraram 128 milímetros (mm). No sábado, 11, as precipitações foram melhor distribuídas, chegando a 138 cidades. Caucaia, com a segunda maior chuva do Estado este ano, acumulou 168 (mm). Ontem, em Icapuí, o volume diário foi de 216 (mm), o maior do Estado em 2017.

Para Alcides Duarte, coordenador geral do Fórum Cearense dos Comitês de Bacias Hidrográficas, é preciso enxergar com cautela o início da quadra chuvosa. “É muito cedo para se afirmar algo. A situação dos reservatórios continua crítica. Sequer temos segurança hídrica para este ano. Seguimos em alerta e preocupados”, afirmou. Ele ressaltou que as precipitações representaram baixo aporte para o Estado e atingiu principalmente a região litorânea. “Onde tem que chover, nos açudes, choveu quantidades insignificantes, que vão embora só com a evaporação”, comentou.

Segundo a Funceme, as chuvas desde sexta-feira foram mais intensas no Litoral, Cariri, Maciço de Baturité e Serra da Ibiapaba. Pela primeira vez no ano, o açude Castanhão aumentou o nível do volume de água. Ele foi o único dos três maiores do Estado a ter aporte de água neste fim de semana.

Para um cenário de maior tranquilidade na crise hídrica do Estado, a Funceme aponta a necessidade de chuvas regulares. “Dois meses seguidos de chuvas intensas, acima da média e com boa distribuição, isso permitiria aporte hídrico que garantiria segurança até a próxima estação”, comentou Fritz em entrevista ao O POVO no mês passado. Para esta semana, os meteorologistas indicam que o sistema responsável pelas chuvas deve continuar exercendo influência. O tempo nublado seguido de chuvas permanecerá em todas as regiões do Estado.

Cidades com as maiores chuvas do fim de semana

Sábado (11/02) - Caucaia (168 mm); Tauá (152 mm); Itaitinga (122 mm); Amontada (116 mm); Aracoiaba (116 mm); Aquiraz (115 mm); Amontada (108 mm); Horizonte (108 mm).

Domingo (11/02) - Icapuí (216 mm); Hidrolândia (98 mm); Poranga (85 mm);
Itaiçaba (80,4 mm); Crateús (79 mm); Várzea Alegre (68 mm); Iracema (67 mm); Pires Ferreira (62 mm); Morada Nova (61 mm).

A Funceme registrou apenas 27mm de chuva no mês de fevereiro em Altaneira, mas na contagem do agricultor João Bel no Sítio Poças foram registrados 33mm.

Com informações O Povo Online