14 de fevereiro de 2017

Declaração de Camilo provoca mal-estar no PT

Em entrevista às “Páginas Azuis” do jornal O POVO que circulou ontem (13/02), o governador Camilo Santana defendeu o nome de Ciro Gomes para as eleições presidenciais de 2018, tendo o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) como vice. 

Já o deputado federal e líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT), defendeu ontem candidatura de Lula em 2018, garantiu permanência de Camilo Santana no PT e criticou o PSB, que estaria fazendo “pressão psicológica” para que o governador do Estado deixe a legenda. para Para Guimarães, entretanto, a presença do ex-presidente petista é fundamental para vencer a disputa.

“O PDT tem um nome, Ciro. O PT tem o nome do Lula, e não é pouca coisa um nome com 34% dos votos (intenções de votos). O PCdoB tem o Aldo Rebelo. Na hora certa, ideal, vamos sentar e discutir isso. Camilo tem uma opinião e é legítimo que ele defenda. Isso não pode ser objeto de crise”, afirmou o parlamentar.

Para Guimarães, discutir nomes neste momento enfraquece as possibilidades de união da esquerda. Mas ele irá defender a participação de Lula no processo.

Presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz disse ao jornalista Eliomar de Lima que Camilo “falou como filiado” e que a discussão sobre 2018 será feita para adiante.

Já o vereador petista Acrísio Sena, que tem se aproximado de forças aliadas a Camilo desde o ano passado, quando defendeu reeleição do prefeito Roberto Cláudio (PDT), afirmou que é importante saber quais as expectativas do governador.

“Não tem sentido o PT ter um candidato, PDT ter outro e PCdoB um terceiro. Precisa haver uma conversa a nível nacional sobre o projeto que queremos para o Brasil”, sugeriu.

Ex-secretário da Cultura do Estado, o vereador Guilherme Sampaio foi contundente em suas críticas. Para o parlamentar, a fala do governador é “triste” e “lamentável”.

Segundo Guilherme, hoje na oposição a Roberto Cláudio na Câmara de Fortaleza, o chefe do Executivo estadual está se desgastando com o próprio partido.

“Esse tipo de relação através das páginas dos jornais diminui o Camilo, diminui a sua estatura como interlocutor do PT”, criticou o vereador, que protestou ainda contra indecisão do governador sobre permanecer ou não no partido, o que chamou de “desrespeitosa”.

“Da forma como ele está conduzindo, vai ser difícil manter uma interlocução. Daqui a pouco, quando ele sair, ninguém vai sentir falta, porque a gente só sente falta do que a gente tem. E a gente não tem o Camilo”, concluiu.

Procurada, a assessoria do governador informou que não iria comentar o assunto.

Com informações O Povo Online