30 de agosto de 2017

Caravana de Lula chega ao Ceará

Governador Camilo Santana e moradores de Quixadá acompanham discurso do ex-presidente Lula (Foto: Fábio Lima)
Em dia de giro pelo Ceará, o ex-presidente Lula lembrou antigo discurso do PT e subiu o tom ontem (29/08) contra pacote de privatizações proposto pelo governo Michel Temer (PMDB). Em discurso em Quixadá, o petista defendeu investimento em empresas nacionais e acusou o atual governo de querer, com as medidas, “destruir o País”. 

“Eu sei que eles estão destruindo o Brasil. Estão vendendo a Petrobras, querem acabar com o Banco do Brasil, com a Caixa, estão vendendo a Eletrobras (...) é aquele tipo de gente vagabunda que, ao invés de trabalhar, fica vendendo as coisas de casa para pagar despesas”, disse Lula, encerrando dia de viagens que passou ainda por Quixeré, Morada Nova e Ibicuitinga.

Ainda no discurso “antiprivatista”, o ex-presidente deverá visitar, na manhã de hoje, polo petroquímico próximo a Quixadá que foi desativado ano passado pelo governo Temer. Em palanque ao lado do governador Camilo Santana (PT) e de uma série de lideranças petistas, Lula ainda acusou o governo Temer de não possuir recursos para investimentos pois teria “gastado tudo para comprar voto”. “Comprar sim, para se livrar de cassação, de investigação da Justiça”, disse.

Assim como tem feito em recentes viagens ao Nordeste, o ex-presidente destacou investimentos de seu governo. Segundo ele, a região passou por uma “mudança de paradigma”. “Eu estava cansado de ler na imprensa do Nordeste só para saber de seca, de pobreza, de desnutrição”, afirma.

“Mas isso mudou”, diz. “Para essa grã-finagem que governa agora o Brasil, pobre não serve para nada”, criticou, elencando ações de seu governo como a construção de universidades públicas. Discurso de Lula em Quixadá encerrou 1º dia de viagens do ex-presidente pelo Ceará. Na manhã de hoje (30/08), ele sairá de ônibus em direção ao Cariri, onde realizará ato às 17h30min no Centro de Convenções do Crato. A passagem pelo Ceará integra caravana de Lula pelos nove estados do Nordeste, que já ocorre há duas semanas e vai percorrer quase 4 mil quilômetros.

Nos municípios em que passou ontem antes de Quixadá, Lula falou pouco, apenas agradecendo apoio de populares. Com a voz comprometida, o ex-presidente afirmou que se recuperava de uma gripe que pegou durante as viagens.

Presente ao lado de Lula durante todo o dia, o governador Camilo Santana fez uma série de elogios ao histórico do correligionário, mas evitou - diferentemente dos demais petistas - falar sobre a eleição de 2018. A cautela tem motivo óbvio: apadrinhado político do também presidenciável Ciro Gomes (PDT) no Ceará, o governador preferiu evitar antecipar lados na disputa.

Durante passagem pelo Ceará, Lula "colecionou" diversas homenagens e presente de municípios e entidades do Estado, desde uma garrafa de cachaça produzida em um assentamento do Movimento Sem-Terra a um título de cidadão honorário de Iguatu. Durante seu discurso, ele utilizava um traje africano que recebeu de estudantes da Unilab.

Passagem do ex-presidente provocou forte comoção nas cidades percorridas, com direito a pessoas exaltadas que tentavam infiltrar espaços restritos ou se atiravam contra o cordão de isolamento dos eventos. Em vários momentos, a segurança do presidente precisou esvaziar espaços ou atrasar as ações para pedir calma à população.

Em meio a esse tensionamento, vários políticos cearenses acabaram barrados no ato de Lula em Quixadá é precisaram apelar para colegas "mais conhecidos". Ex-presidente do PT do Estado, o deputado estadual Elmano de Freitas foi um deles. Os vereadores de Fortaleza Guilherme Sampaio e Deodato Ramalho também.

Com informações portal O Povo Online