21 de novembro de 2018

Órgãos municipais fecharam no Dia da Consciência Negra em Altaneira

Prefeitura Municipal de Altaneira de portas fechadas (Foto: Júnior Carvalho)
Prefeitura, Câmara Municipal, secretarias, escolas e demais órgãos da estrutura administrativa do Município de Altaneira fecharam as portas durante todo o dia de ontem (20/11) em homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra.

Em atendimento ao disposto em uma Lei Municipal, de iniciativa do então vereador Deza Soares, aprovada em fevereiro de 2017, o prefeito Dariomar Rodrigues (PT), baixou decreto declarando ponto facultativo nos órgãos do Município.

O professor Nicolau, blogueiro e militante do movimento negro no Cariri, usou a rede social Facebook para compartilhar postagem de seu blog que relata a luta pela inclusão da data no calendário oficial do Município.

Nicolau lembra que a inclusão do Dia Nacional da Consciência Negra no calendário brasileiro, os significativos avanços advindos da Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial, as leis de cotas, a obrigatoriedade do ensino da cultura africana, afro-brasileira e a história e cultura indígena nas escolas públicas e particulares e a aprovação também do Estatuto da Igualdade Racial foram algumas conquistas do movimento negro.

“Todos os ajustes reforçam o quanto o Brasil é um país racista e que faz de tudo para rejeitar toda e qualquer ação que faça referência as nossas raízes – negras e indígenas. O nosso ensino ainda é pautado e cunhado pelo viés do povo branco, do europeu. E muitas escolas ainda não obedecem a lei, seja por não cumprir, seja por cumprir de forma parcial”, escreveu Nicolau.

Para Nicolau as cotas raciais ainda é um tabu, ele diz que pouco se discute e cito o antropólogo Kabengele Munanga que em entrevista cedida ao portal Fórum em 2012 ressaltou:

“O racismo é cotidiano na sociedade brasileira. As pessoas que estão contra cotas pensam como se o racismo não tivesse existido na sociedade, não estivesse criando vítimas. Se alguém comprovar que não tem mais racismo no Brasil, não devemos mais falar em cotas para negros. Deveríamos falar só de classes sociais. Mas como o racismo ainda existe, então não há como você tratar igualmente as pessoas que são vítimas de racismo e da questão econômica em relação àquelas que não sofrem esse tipo de preconceito.”

O professor afirma que a instituição do Dia Nacional da Consciência Negra necessita-se também de uma discussão mais profunda, mas lembra que mais de mil municípios brasileiros incluíram no seu calendário o dia 20 de novembro como feriado oficial, no entanto em Altaneira é apenas ponto facultativo.