6 de novembro de 2018

Partido de Bolsonaro já é cortejado por prefeitos cearenses


Partido do presidente eleito Jair Bolsonaro, o PSL começa a se tornar atraente para prefeitos do Ceará. Desde o último dia 28, quando o militar da reserva derrotou Fernando Haddad (PT), a legenda vem sendo cortejada por chefes dos executivos municipais.

No Estado, Bolsonaro não venceu em nenhum município no segundo turno. O resultado adverso, porém, não tem impedido que gestores procurem dirigentes da sigla para tentar abrir canal de diálogo com o futuro presidente.

Secretário-geral do PSL no Ceará, Aldairton Carvalho afirma que a agremiação analisa instalação de diretórios em todos os 184 municípios. Hoje, a sigla mantém apenas comissões provisórias, inclusive em Fortaleza. "Prefeitos entraram em contato conosco interessados em que o PSL esteja na sua cidade".

O pesselista assegura que o partido deve ter candidatos a prefeituras ou apoiar nomes para 2020 em todos os municípios cearenses e que, por isso, "a formação de bases eleitorais é muito importante".

Segundo Carvalho, o grande interesse dos administradores no Interior é estabelecer uma interlocução com o novo chefe do Planalto. "Há uma expectativa grande em relação ao governo", avalia. "Principalmente para ter acesso ao Bolsonaro".

Na última semana, em conversa com o jornal O POVO, o secretário-geral do PSL no Ceará já havia garantido que o partido se prepara para apoiar o deputado federal eleito Capitão Wagner (Pros) para concorrer à Prefeitura de Fortaleza em 2020.

Wagner, que já disputou o Paço e foi derrotado pelo prefeito Roberto Cláudio (PDT), reconduzido em 2016, é o deputado campeão de votos na briga por uma cadeira na Câmara Federal neste ano.

De acordo com o dirigente do PSL, além da presença no território cearense, o partido também quer ampliar a base de aliados na bancada cearense no Congresso.

Conforme Aldairton Carvalho, pelo menos dois parlamentares já acenaram para um apoio aberto a Bolsonaro. "Nossa intenção é chegar a dez dos 22 deputados cearenses", afirma.

Atualmente, somente dois federais integram o bloco aliado do militar: além de Capitão Wagner, o deputado eleito Heitor Freire, presidente do PSL no Ceará.

Com informações portal O Povo Online

Leia também: