10 de junho de 2014

Cid acalma base e antecipa costura de coligações entre aliados

Governador Cid Gomes buscou privilegiar siglas de pouca expressão nacional (Foto: Tatiana Fortes)
Depois de muito evitar o assunto, Cid Gomes (Pros) finalmente entrou, na noite de ontem, no debate das articulações eleitorais para este ano. Priorizando em primeiro lugar apaziguar a base aliada, o governador antecipou costura de coligações para eleições de deputados entre cerca de dez partidos. Empurrando escolha de candidato até definições da oposição, Cid expôs ainda preocupação em barrar adesões a Eunício Oliveira (PMDB) no Estado. 

As articulações foram debatidas na noite de ontem, em reunião fechada de Cid com 22 partidos da base aliada. Embora no discurso oficial o governador tenha afirmado que encontro debateria diretrizes para o próximo governo, o jornal O POVO apurou que a reunião foi focada na formação de coligações, bem como na enumeração de “situações problema” que precisariam ser resolvidas antes da definição do candidato do Pros.

Logo no início do encontro, Cid coordenou “costura” de coligações entre partidos aliados para eleição de deputados estaduais e federais. A ação buscava apaziguar partidos pequenos, que não possuem perspectivas nacionais e estavam insatisfeitos com demora na definição da chapa majoritária da base - entre eles PSDC, PTN, PPL, PTC, PMN, PRTB e PEN.

A estratégia funcionou: sem protestos, o governador reforçou que ainda não escolheu candidato e que não irá se posicionar até a oposição definir seus nomes. “Juro na cruz que não tem candidato”, disse, sendo aplaudido.

O governador expôs ainda preocupação com situação do PSC e PSD, que, embora desejem apoiar candidato de Cid no Ceará, enfrentam pressão nacional para apoiarem outros candidatos. No caso do PSC, diretoria do partido em Brasília prefere que a legenda apoie Eunício Oliveira. “Cada partido tem suas posições, mas esse negócio de verticalização não existe mais”, pontuou o governador.

Com informações O Povo Online