31 de março de 2016

Apesar de ruptura, PMDB não entrega cargos no Governo

No Ceará, o anúncio do rompimento do PMDB com o governo de Dilma Rousseff (PT) chegou até antes da reunião definitiva da sigla na última terça-feira (29/03). Na prática, porém, o partido ainda mantém cargos federais no Estado, ressalvando que todos “estão à disposição” da presidente da República.

“Eu liguei para ela (Dilma). Disse que, mesmo sendo nomes técnicos, ficava desconfortável o PMDB continuar nesses cargos”, afirmou o presidente do PMDB no Ceará, o senador Eunício Oliveira. “Dilma ouviu e pediu um pouco de paciência”, completou.


De acordo com o senador, a conversa com Dilma, por telefone, deu-se ainda na terça-feira. Nela, o peemedebista afirma ter colocado os cargos federais ocupados pela sigla no Estado “à disposição” da presidente.

O senador não confirma, entretanto, se o pedido de “paciência” presidencial sugere que o Planalto deve mesmo exonerar as indicações de Eunício. Sobre possibilidade de pedido de demissão pelos próprios presidentes dos órgãos, o parlamentar também não respondeu.

Atualmente o PMDB detém pelo menos três grandes cargos federais no Ceará. Indicados pela legenda, estão o presidente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), Marcos Holanda, e o diretor-presidente da Companhia Docas do Ceará, César Pinheiro.

Já o diretor-geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Walter Gomes, foi indicação de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que pediu exoneração do Ministério do Turismo na última segunda-feira, 28.

O jornal POVO entrou em contato com os três órgãos. No BNB, “não há qualquer sinalização de mudanças”, segundo a assessoria de imprensa do banco, que informou ainda que Holanda estava viajando e não poderia se manifestar.

Para os servidores da entidade, no entanto, os últimos acontecimentos na política nacional têm causado “certa expectativa e receio”, conforme a presidente da Associação dos Funcionários do BNB.

“Caso haja alguma mudança, a nossa preocupação é somente com o perfil de quem ocupará o cargo, que deve ser técnico”, pondera Rita Josina Feitosa.

Diretor-presidente da Companhia Docas, César Pinheiro respondeu que “o cargo sempre esteve à disposição” da presidente Dilma. “Na hora em que ele (o governo) quiser, eu entrego o cargo”, disse.

Walter Gomes, do Denocs, não quis comentar a saída do PMDB da base do governo Dilma. Por meio de assessoria, ele destacou seu caráter técnico para assumir o cargo. Indicado por Henrique Eduardo Alves, porém, a possibilidade de que deixe o posto é maior.

Presidente da Associação dos Servidores do Dnocs, Roberto Morse de Souza admite que Gomes pode deixar o comando do órgão, mas o PMDB continuará dando as cartas no Dnocs. “Se a Dilma cair, é possível que o PMDB fique no Governo”, projeta.

Conforme acordo após oficialização do fim da aliança com o PT, ocupantes de cargos federais ligados ao PMDB teriam até 12 de abril para deixar suas posições, sob o risco de sofrerem desfiliação. Eunício não respondeu se o partido fará isso no Ceará.


Com informações O Povo Online