24 de setembro de 2017

"Como anda as discussões na Câmara de Altaneira?" por Nicolau Neto

Parlamentares de Altaneira em face de Sessão Ordinária realizada na última quarta-feira (20/09) (Foto: Júnior Carvalho)
A nova legislatura altaneirense começou e com ela novos assentos. Três estreantes e um retorno. Destes, apenas uma mulher garantiu vaga na casa, fazendo com que este número permanecesse o mesmo, já que Lélia de Oliveira não se reelegeu. A casa tem 3 mulheres e 6 homens. Gilson Cruz e Genival Ponciano tiveram o mesmo resultado de Lélia e, Devaldo Nogueira voltou a ocupar cargo de vereador pelo PMDB depois de ter se ausentado nas últimas disputas.

Mas o que esse cenário diz sobre as discussões na Câmara? Em um passado bem recente o legislativo altaneirense era visto pela grande maioria como ineficiente. As desavenças pessoais, as picuinhas e os constantes desrespeitos ao Regimento Interno - espécie de “bíblia” - dos (as) edis superavam as matérias de interesse da coletividade. As expressões “hoje tem sessão” eram facilmente substituídas (e com sinceridade correspondiam aos fatos) por “hoje tem brigas” e “hoje tem mais embates pessoais”.  Esse era o cenário de 2013 a 2016.

2017 começou e parece que o desalento da população com os (as) edis diminuiu. Pouco mais de sete meses de discussões na Câmara e alguns nomes antes mesmo da comunidade elogiar se autoelogiaram. Regimento seguido à risca, conflitos pessoais deixado da porta para fora, harmonia entre oposição e situação e matérias que precisam ir ao encontro dos interesses da coletividade..... 

É bem verdade que o que mais tem chamado à atenção nesse início de trabalho legislativo é o cumprimento do horário das sessões. Esta não vem se alongando por horas e horas como outrora, o que ajuda e muito que discussões fora de propósito ocorram. Mas votando ao parágrafo anterior. Vejo com muita desconfiança e até com receio quem prega a harmonia cega entre polos opostos na administração. Esta é importante, deve SEMPRE ser destacada, mas harmonia não pode e nem deve ser vista como ausência do contraditório – ponto mestre para que se tenha uma gestão eficiente, eficaz, transparente e a serviço da eliminação/diminuição das desigualdades raciais. As questões do nosso país precisam ser vista pelo lado racial e não social.

Quanto ao Regimento Interno, cumpri-lo sem desrespeitá-lo não é uma das tarefas das mais fáceis. Se se levar em conta a comparação que fiz ao iniciar o texto, ela não para por ai. Regimento e Bíblia não só são vistas como base para quem as usa, mas seus usuários e usuárias líderes também se equivalem (com raríssimas exceções). A grande maioria não lê e quando executa a leitura usa em benefício próprio. Espero que essa nova composição legislativa faça diferente.

Mas para quem acompanha semanalmente as sessões percebeu que aqueles velhos conflitos entre oposicionistas e base da administração retornaram. Para quem estava cansado (a) de testemunhar as mesmas músicas tocando.... Pediu para sair do salão. Se a memória não me falha há três sessões um embate entre o vereador Valmir Sousa (PDT) e a vereadora Alice Gonçalves (PRP) chamou a atenção. Ambos discutiam acerca de iluminação do distrito do São Romão. O que deveria ser um debate saudável acabou desembocando para o lado pessoal.

Já na sessão passada.... Figurinhas repetidas e discursos reeditados. Adeilton Silva (PSD) e Flávio Correia (SD) foram os antagonistas da situação. Eles travaram debate para enfatizar o que uma gestão não fez ou não priorizou e o outro o seu inverso.

As sessões melhoraram. É notável, mas parece que o clima saudável do início está retornando para o seu oposto. O que a população mais deseja é que haja mudança, mas não aquela de aparência ou ainda a que se muda para permanecer tal qual outrora. Mas para isso, ela precisa participar. Não só ouvir pela rádio ou acompanhar diretamente no plenário, mas apresentando críticas construtivas, elogios e sugerindo melhorias.

Não sei se ainda é cedo para fazer essa análise, mas tarde nunca é. Posteriormente, o Blog Negro Nicolau irá produzir um artigo acerca do desempenho de cada parlamentar e o grau de importância das matérias apresentadas, discutidas e aprovadas/rejeitadas.

Publicado originalmente no  Blog Negro Nicolau