2 de janeiro de 2019

Camilo empossa 20 dos 21 secretários

 O novo secretariado para o segundo mandato de Camilo (Foto: Mateus Dantas)

Perfilado para a foto oficial da posse no Palácio da Abolição, o novo secretariado do governador Camilo Santana (PT) tinha um jeitão mais "camilista". Do primeiro para o segundo mandato, a cota pessoal do governador aumentou. O time formado para o novo governo mostra isso.


Ontem, 20 dos 21 nomes convidados pelo petista assinaram sua titulação - apenas a chefe da Controladoria-Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública, Cândida Bezerra, não foi empossada.

Além dos secretários, assumiu também o assessor especial de Relações Institucionais, Nelson Martins (PT), que terá status de secretário. A função, segundo Martins, será a mesma que desempenhava no mandato anterior. "O que eu fazia na Casa Civil, vou continuar fazendo como assessor: um trabalho puramente político, de articulação", disse.

Assim como Relações Institucionais, outras duas assessorias estão abrigadas na nova Casa Civil, comandada por Élcio Batista: Comunicação, com Chagas Vieira, e Relações Internacionais, à frente da qual está César Ribeiro.

Desse grupo de 21 secretários, o governador manteve nomes de sua confiança em postos-chave, como Maia Jr. na superpasta do Desenvolvimento Econômico e André Costa na Segurança. Mas o petista também avançou em áreas antes ocupadas por pessoas ligadas aos Ferreira Gomes.

É o caso da Secretaria da Fazenda, que passou de Mauro Filho, deputado federal eleito pelo PDT e agora secretário do Planejamento, para as mãos de Fernanda Pacobahyba, uma auditora fiscal de carreira.

Outro exemplo da digital mais visível do governador no segundo mandato é o médico Carlos Roberto Martins, o Cabeto, designado para a pasta da Saúde. Também tucano como Maia Jr., ele é opção direta do chefe do Executivo, que já o havia sondado antes.

Questionado ontem sobre as prioridades para os trabalhos na Saúde, o secretário recém-empossado afirmou que o seu "maior desafio é mudar a metodologia de gestão, redefinindo a secretaria em termos de metodologia de trabalho nas áreas prioritárias".

Artur Bruno (PT), Francisco de Assis Diniz (PT) e Inácio Arruda (PCdoB), mantidos no Meio Ambiente, Desenvolvimento Agrário e Ciência e Tecnologia, respectivamente, são parte da cota do governador, que também garantiu a continuidade de Fabiano Piúba no comando da Cultura e a de Socorro França, mas na nova Secretaria da Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos.

O grupo de Cid Gomes (PDT), no entanto, preserva espaços generosos no governo, com o controle de Cidades, Planejamento e Infraestrutura, com Lúcio Ferreira Gomes - um dos irmãos do senador eleito.

Secretariado do novo governo de Camilo Santana

Casa Civil: Élcio Batista

Articulação política: Nelson Martins (com status de secretário, mas vinculado à Casa Civil)

Comunicação: Chagas Vieira (com status de secretário, mas vinculado à Casa Civil)

Procuradoria-Geral do Estado: Juvêncio Vasconcelos Viana

Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado: Aloísio Carvalho

Secretaria da Fazenda: Fernanda Pacobahyba

Secretaria do Planejamento e Gestão: Mauro Filho

Secretaria da Educação: Eliana Estrela

Secretaria da Proteção Social, Justiça e Direitos Humanos: Socorro França

Secretaria da Saúde: Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, o Cabeto

Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social: André Costa

Secretaria da Administração Penitenciária: Luís Mauro de Albuquerque

Secretaria da Cultura: Fabiano Piúba

Secretaria do Esporte e Juventude: Rogério Pinheiro

Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior: Inácio Arruda

Secretaria do Turismo: Arialdo Pinho

Secretaria do Desenvolvimento Agrário: Diassis Diniz

Secretaria dos Recursos Hídricos: Francisco Teixeira

Secretaria da Infraestrutura: Lúcio Ferreira Gomes

Secretaria das Cidades: Zezinho Albuquerque

Secretaria do Desenvolvimento Econômico: Maia Júnior

Secretaria do Meio Ambiente: Artur Bruno

Controladoria-Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário: Cândida Bezerra

Com informações portal O Povo Online