24 de fevereiro de 2018

Aproximação de Ivo sinaliza apoio dos Ferreira Gomes à aliança de Eunício e Camilo

Eunício, Camilo e Ivo participaram de evento ontem em meio a afagos e gracejos (Foto: Aurélio Alves)
A anuência dos Ferreira Gomes à aliança firmada entre o governador Camilo Santana (PT) e o presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira (PMDB), não é mais um entrave para consolidar a união. Ontem (23/02), entre gracejos e afagos, o prefeito de Sobral, Ivo Gomes (PDT), admitiu que houve pacificação na relação com o senador emedebista, demonstrando que já aceita a aliança. Eunício também teceu elogios à gestão do ex-adversário Cid Gomes, durante liberação de pacote de recursos federais na manhã de ontem no Palácio da Abolição.

Com forte conotação política, o evento reuniu vereadores, deputados e ex-adversários. Foi a primeira vez que um dos Ferreira Gomes apareceu ao lado de Eunício após o senador romper com o grupo, em 2014, às vésperas das eleições. Ivo Gomes foi também o único do grupo a externar explicitamente, em dezembro do ano passado, incômodo com a reaproximação de Camilo e Eunício.

Pelo Facebook, Ivo criticou a aliança e ironizou: “Lula fazendo escola no Ceará”, escreveu se referindo à declaração do ex-presidente que disse estar “perdoando golpistas”. “As relações políticas são como relações pessoais. Você constrói e, no caminho, vai limpando os mal-entendidos, as agressões”, justificou ontem o prefeito de Sobral. Ivo responde na Justiça processo aberto por Eunício por calúnia e difamação.

Na última quarta-feira (21/02) Ivo se encontrou com o senador para pedir liberação de recursos federais para Sobral. Ontem, Ivo assinou o recebimento de R$ 42 milhões para saneamento no município, após articulação de Eunício no Ministério das Cidades. “Faz é tempo que você pediu, né? Ontem. Faz menos de 20 horas”, brincou Eunício enquanto o prefeito assinava a liberação.

Demonstrando alinhamento ao discurso de Camilo, o presidente do Congresso defendeu atuação do governador na gestão da segurança pública, cobrando ações federais no enfrentamento da crise.

Eunício apontou como saídas a “integração nacional” no combate ao crime organizado e a unificação das inteligências das forças de segurança.

O emedebista não se eximiu de elogiar a gestão de ex-governador Cid Gomes (PDT), que poderá formar chapa com ele nas próximas eleições com vistas às duas vagas no Senado. “Até lá atrás, quando fui parceiro do governador Cid Gomes, esse Estado fez o dever de casa do ponto de vista fiscal”, disse.

Esta semana, o Congresso aprovou, em sessão presidida por Eunício, corte de R$ 98,6 milhões de recursos federais destinados ao Ceará, incluindo R$ 18 milhões na área da segurança. O dinheiro passaria a compor R$ 2 bilhões de auxílio da União aos municípios em dificuldades financeiras.

Ontem, o senador disse que “nenhum recurso do Ceará será cortado” e que o que houve foi uma “recomposição” do orçamento. “Vamos abrir janelas com esses valores para repor e ter margem para fazer desenvolvimento e crescimento”, disse o emedebista. O governador reiterou confiança no senador. “Há uma garantia do próprio presidente do Congresso de que nada será cortado, principalmente dessas áreas essenciais no orçamento de 2018”, disse.

Com informações portal O Povo Online