19 de março de 2014

Câmara rejeita requerimento que solicitava reconstrução do muro da casa do prefeito cassado

Plenário da Câmara Municipal de Altaneira na Sessão de ontem (Foto: João Alves)
A Câmara Municipal de Altaneira, por maioria de votos, rejeitou requerimento do líder da bancada da oposição, vereador Professor Adeilton (PP) que solicitava da Secretária de Educação a reconstrução do muro que divide a Escola Municipal de Ensino Fundamental Joaquim Rufino da casa do prefeito cassado Antonio Dorival de Oliveira. 

A murada caiu em virtude das chuvas e deixou exposta a área de lazer da residência do ex-prefeito. Em substituição ao muro caído foi improvisada uma grade de segurança evitando que os alunos invadam o ambiente particular.

O vereador Adeilton defendeu o requerimento alegando que o espaço é público e que o Município deve arcar com os custos, para evitar danos maiores.

O líder da Bancada da Maioria, vereador Edezyo Jalled (Solidariedade), encaminhou o voto contrário sustentando que tem informações de que o muro já existia antes da ampliação da Escola e no projeto consta que foi construído pelo Município, o que deixa aparente fortes indícios de lavagem de dinheiro por parte do prefeito cassado.

O vereador Flavio Correia (Solidariedade), líder do Governo na Câmara, taxou de "nojento" o requerimento e apontou a construção do muro da residência do prefeito cassado era mais uma gambiarra de sua fracassada gestão que merece apuração.

O vereador Antonio Leite (Pros) também se posicionou contrário ao requerimento seguindo os argumentos de seus líderes. A vereadora Zuleide de Oliveira (PSDB) e os vereadores Genival Ponciano (PTB) e Gilson Cruz (PSL) apoiaram o líder da oposição e a vereadora Alice Gonçalves (PSB) não participou da discussão do requerimento, mas votou contrário ao requerimento.

O voto de minerva coube a presidente da Casa, vereadora Lélia de Oliveira (PCdoB) que decidiu pela rejeição do requerimento e determinou o seu arquivamento.