16 de março de 2014

Prazo de desincompatibilizações pressiona decisão

Faltam três semanas para uma das datas mais significativas do calendário eleitoral de 2014: prazo de desincompatibilização.

No próximo dia 6 de abril, todos aqueles que ocupam cargos públicos no Executivo são obrigados a deixar o posto caso optem por disputar as eleições de outubro.

Este ano, a data será reveladora das estratégias dos partidos e, principalmente, do governador Cid Gomes (Pros). Embora ele tenha sustentado que cumprirá o mandato até o fim, já se fala nos bastidores sobre a hipótese de ele ter de entrar na briga pelo Senado. 

Um parlamentar ouvido pelo jornal O POVO disse que “Cid não poderá se dar o luxo de não disputar a eleição. Seria a primeira vez em que um candidato a senador puxaria voto para o candidato a governador na chapa”, afirmou a fonte, ponderando que, até agora, não haveria nomes com musculatura política inconteste no núcleo de Cid, para o caso de rompimento com o senador Eunício Oliveira (PMDB).

Uma possível candidatura de Cid exigirá acordo com o deputado federal José Guimarães, seu principal aliado no PT e pré-candidato ao Senado. Mas interlocutores próximos do governador dizem que o chefe do Palácio da Abolição não tem falado sobre suas intenções e que as decisões só serão fechadas aos 45 minutos do segundo tempo, à véspera da desincompatibilização.

“Ele tem dito que fica no governo, e quem disser qualquer coisa em relação a isso está equivocado. É uma decisão puramente dele. É a informação que se tem dele”, disse o vice-governador Domingos Filho (Pros), também interessado em se lançar candidato à sucessão.

Com informações O Povo Online