20 de março de 2014

Dilma e Cid entregam obras e descartam falta d'água por 30 anos

Dilma, Cid e várias figuras políticas que terão papel central na sucessão eleitoral do Ceará no evento (Foto: Fábio Lima)
Em evento marcado por elogios mútuos, afagos políticos aos aliados e gestos que podem servir de pista sobre os arranjos rumo às eleições deste ano, a presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou na manhã de ontem, em Fortaleza, que o Ceará deverá ter o maior conjunto de obras de segurança hídrica “do mundo”, que livrará o Estado do desabastecimento nas próximas décadas. A petista referia-se ao Eixão das Águas, cujo quinto e último trecho foi inaugurado ontem, ao projeto do Cinturão das Águas e à transposição do Rio São Francisco – este, alvo de constantes atrasos e críticas da oposição. 

“A gente tem hora que é meio exagerada, mas agora tenho certeza de que não. É (a maior) do mundo”, afirmou Dilma no estado que, no último ano, teve dezenas de municípios em situação de calamidade por causa da seca. Ela destacou, no entanto, que, com o Eixão, Fortaleza e Região Metropolitana estarão livres da falta de água pelos próximos 30 anos.

Segundo o governador Cid Gomes (Pros), a obra aumentará em 50% a oferta de água tratada para a capital. “Não teremos o problema de São Paulo", comparou Cid, em referencia ao problema de desabastecimento que afeta a capital paulista.

Cid e Dilma fugiram da imprensa e evitaram questionamentos sobre as obras anunciadas. Ao longo do discurso, no entanto, a petista ensaiou uma autocrítica sobre a seca, ao reconhecer que o Nordeste passa pela crise “com ferimentos”. Ela citou a mortandade do rebanho bovino e caprino na região, mas logo voltou a enaltecer os feitos emergenciais do Governo.

A presidente prometeu instituir, ainda este ano, o Plano Safra específico para atender aos municípios do semiárido. “Vamos executar com o ministro Miguel Rossetto (Desenvolvimento Agrário) o primeiro Plano Safra do semiárido. A região tem que ter safra e produzir os materiais específicos que compõe o volumoso (alimento) do gado”, disse, sem declarar o volume de recursos destinado ou data de início do programa.

A solenidade também serviu para a entrega das chaves de caminhões-caçamba, motoniveladoras, caminhões-pipa e outros itens do chamado “kit seca” a 141 prefeitos cearenses, que subiram ao palco e aproveitaram para tirar fotos com a presidente.

“As prefeituras com até 50 mil habitantes podem fazer pequenas obras estruturantes, como barragens ou aguados. O equipamento garante aos municípios maior autonomia e capacidade de execução dessas demandas”, disse ela.

Com informações O Povo Online