15 de março de 2014

Secretário de Educação lança Nota comunicando não adesão dos professores a Greve Nacional

O Secretário Municipal de Educação, vereador Deza Soares, divulgou na tarde de ontem (14/03) informando que por maioria os professores da rede municipal não irão aderir a Greve Nacional convocada para os próximos dias 17 e 18 pelas entidades representativas da categoria.

“Diante do ofício 007/2014 do SINSEMA, onde observamos não ter havido consenso entre as propostas e também por não identificarmos comprovação da adesão ao movimento por parte da maioria representativa decidimos consultar todo corpo docente através de escolha por uma das ações mencionadas na folha anexa, tendo em vista que democraticamente acataremos a decisão da maioria expressa pela opção de maior incidência” cita a nota.

O Secretário cita que realizada a votação verificou-se que dentre 93 votantes, apenas 36 optaram pela paralização e 57 foram contra, no entanto não foi divulgado o local da reunião, nem tão pouco os documentos apresentados.

No final da Nota a Secretaria Municipal de Educação “determina aos núcleos gestores e aos transportes, além de professores e demais servidores, a continuação das aulas dentro da normalidade, alertando a todos da responsabilidade individual e coletiva no cumprimento do dever”.

Logo após a divulgação surgirão as críticas a decisão da categoria, sendo que o vereador Professor Adeilton postou que O Secretário falta coma verdade em vários pontos em sua carta enviada aos professores municipais e acredita que o SINSEMA irá esclarecer tais inverdades.

O professor Vinicius Freire considerou um desrespeito à classe, disse também está muito decepcionado como a categoria e que não é atoa que os professores são desvalorizados, “se nem lutam pelos seus direitos e mais como é que podemos nos considerar formadores de opinião se quando devemos agir preferimos nos acomodar” questionou.

“Sempre tive orgulho em dizer que sou professor, mas hoje me sinto envergonhado diante dessa classe omissa e desunida. Como temporário, entendo os professores temporários, mas como tal me sinto no mesmo direito de qualquer efetivo de lutar pela melhoria na educação que irá não só beneficiar minha classe, mas tbm aos nossos alunos. Aos meus colegas professores altaneirenses, digo que se estão satisfeitos com a atual situação da educação no Brasil de fato não há pelo que lutar, mas se achamos (e eu não tenho dúvida disso) que educação no Brasil tem muito a melhorar então é hora de tomar uma atitude!” protestou Vinicius.

A professora Elba Batista disse concordar plenamente com o comentário de Vnicius e reforça seu posicionamento enquanto EDUCADOR, não meramente professor.
“Educador/a que é educador/a vai à LUTA é de LUTA não se cala mediante situação e realidade imposta que não se acovarda na hora de enfrentar lentamente com o seu posicionamento enquanto EDUCADOR, não meramente professor. Educador/a que é educador/a vai à LUTA é de LUTA não se cala mediante situação e realidade imposta que não se acovarda na hora de enfrentar o leão! Somos sim, temporários, mas não somos algemados a qualquer tipo de sistema que nos faça omissos e que nos repreenda em ações que são legítimas! Mas, CONSCIÊNCIA é algo muito longínquo para muitos, inclusive, para alguns da nossa classe!!!!” postou Elba.

O professor e diretor do Sinsema Jose Evantuil disse que em tese, o professor é a pessoa que é mais instruída entre os seus pares. “Todos sabem o que lutar ou acomodar-se. Aos que vão lutar por direitos não cabe pedir licença a ninguém para faze-lo. Faço um alerta: Não lutar é assinar o próprio óbito como trabalhador. Fica difícil lutar lograr futuras conquistas quando se luta num meio tão acomodado” comentou sem esclarecer as inverdades levantadas pelo professor Adeilton.

“Sempre fazem isso em Altaneira, pior ainda acreditam. Falta discernimento aos colegas e coragem para fazer sacrifícios em prol de melhorias” comentou Adeilton na sequência.

Até o fechamento não encontramos nenhuma manifestação da Diretoria do Sinsema, exceção apenas para o pequeno comentário do professor Evantuil.