27 de agosto de 2015

3,2% da população brasileira é de servidores municipais, diz IBGE

Cerca de 6,2 milhões de brasileiros, ou 3,2% da população, são servidores públicos municipais. Os dados constam do estudo Perfil dos estados e dos municípios brasileiros 2014 e foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro. Em 2001, a proporção de servidores públicos de cidades em relação à população era 2,2%. 

A gerente da pesquisa do IBGE, Vânia Pacheco, explicou que, se de uma forma geral, o total de servidores estaduais e municipais se mantém estável, houve mudanças em relação aos vínculos empregatício.

Os estatutários são maioria no serviço público municipal brasileiro, mas o número vem caindo. Em 1999, eram 65,4% do total de funcionários e, em 2014, esse percentual caiu para 61,1%. O Distrito Federal, 82,4%, e os estados de Rondônia, 77,5%; Amapá, 72,2%; Paraná, 74,3%; e Rio Grande do Sul, 71,4%; apresentaram médias superiores, em pelo menos 10 pontos percentuais, à média nacional. O Acre foi o Estado com a menor média, 22,6%; seguido de São Paulo, 44,4%.

Os cargos comissionados passaram de 7,7% em 2004, quando começaram a ser estudados, para 8,4% dos empregados do serviço público em 2014. O estudo também identificou maior qualificação do funcionário municipal em anos recentes. Em 2005, cerca de 23,8% do total tinha qualificação de nível superior ou pós-graduação. Em 2014, o percentual subiu para 36,6%.

A proporção de servidores estaduais deixou de acompanhar o crescimento da população, caindo de 1,6% em 2012 para 1,5% em 2014, equivalente a 3,1 milhões de pessoas.
Ainda segundo o IBGE, nas unidades da Federação mais populosas, o percentual de servidores estaduais é mais baixo, com exceção do Distrito Federal, com o maior percentual, por ser unidade federada, município e capital federal.

A proporção de trabalhadores da administração direta aumentou de 80,8%, em 2012, para 85,7%, em 2014. Já o total dos estatutários diminuiu cerca de 100 mil no período, decréscimo de 4,2%.

Com informações O Povo Online