18 de agosto de 2015

Cid e Ciro Gomes encaminham acerto com PDT

O ex-governador Cid Gomes fala aos correligionários durante o encontro de ontem (Foto: Tatiana Fortes)
Os irmãos Cid e Ciro Gomes defenderam, na noite de ontem (17/08), no hotel Romanos, em Messejana, que a mudança do Pros para o PDT seria a melhor estratégia do grupo político liderado por eles. A plateia, repleta de prefeitos, vereadores e correligionários do bloco, apoiou a posição dos ex-governadores. A definição, no entanto, deverá ocorrer na próxima sexta-feira (21/08), em nova reunião na Assembleia Legislativa. 

Com foco na eleição municipal do ano que vem, os irmãos garantiram aos prefeitos e vereadores do interior que eles receberão apoio e não ficarão “sós” nesse processo de mais uma mudança partidária, ainda a se confirmar.

A opção de permanecer no Pros foi praticamente descartada durante as mais de três horas de encontro. Estiveram presentes, além de Cid e Ciro, Lúcio Gomes, secretário das Cidades, a governadora interina Izolda Cela (Pros), o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (Pros), o presidente da Câmara Municipal, Salmito Filho (Pros), entre outros.

Ao estilo plenária, diversos políticos fizeram o uso da palavra ao microfone durante o evento para discutir os rumos do grupo. Alguns defenderam que a ida ao PDT poderia levar Cid ou Ciro a uma candidatura presidencial em 2018.

“Qual é a possibilidade do Ceará ter um presidente da República? É no PDT”, afirmou o deputado licenciado Osmar Baquit (PSD). “A ida para o PDT será um dos passos mais importantes para a história atual do Brasil com Cid e Ciro. O Brasil precisa desse grupo”, defendeu o vereador Salmito Filho. “O meu candidato a presidente da república (em 2018) é Ciro Gomes”, afirmou o ex-ministro Cid. Na sequência Ciro devolveu a gentileza defendendo a candidatura de Cid. Ao jornal O POVO Ciro afirmou que aceitaria ser candidato em 2018.

O clima no encontro partidário era de encaminhamento para a filiação ao partido do desafeto político Heitor Férrer no Estado. A possível candidatura presidencial, que coloca os irmãos no páreo da disputa, apareceu como um ingrediente a mais para o convencimento do grupo a optar pela nova agremiação.

Em relação à posição do deputado Heitor Férrer, o prefeito RC afirmou que a mudança de partido, no caso o PDT, caso se confirme,“não pode ser motivada por ninguém”.

Com informações O Povo Online