22 de agosto de 2015

“Uma tarde triste para a história do Legislativo Municipal” por Eduardo Amorim

Plenário da Câmara Municipal de Altaneira na Sessão de 21/08/2015 (Foto: João Alves)
Assim como se deu nas últimas sextas-feiras, assisti ontem (21/08), mais uma Sessão da Câmara Municipal de Altaneira. Não houve matérias ou discussão durante a Ordem do Dia, que é o momento em que se discutem projetos e requerimentos. Este fato se deu por que não houve nenhum parecer da Comissão Permanente. O momento só não passou em branco por a passagem da posse da suplente Roberci Vânia (PSB).

A sessão não contou com a presença do vereador Professor Adeilton (PP) que é relator da Comissão Permanente, segundo a vereadora Zuleide de Oliveira (PSDB) seu Líder viajou para tratar de assunto alusivo ao curso de mestrado em que está matriculado.

O fato foi duramente criticado pelos vereadores do Solidariedade, Deza Soares e Flávio Correia, durante o tema livre. Deza disse que a ausência de um vereador não deve atrasar os trabalhos da Comissão Permanente, principalmente quando existem projetos de relevante importância como é o caso do Projeto da contratação temporária.

Já o vereador Flávio, foi mais enfático, dizendo que a Câmara já havia alterado o dia das Sessões Ordinárias e da reunião da Comissão Permanente por conta do Mestrado do Professor Adeilton para que isso não ocorresse e foi mais além disse que “a fumaça da corrupção está passando no nariz de todos os vereadores na Câmara”, e que já foi ao Ministério Público e que este semestre vai ao TCM solicitar investigação sobre superfaturamento a administração da Presidente Lélia (PCdoB).

O Vice-Presidente da Mesa, vereador Genival Ponciano, disse a Flávio que “se houver dinheiro na Câmara, a diária será concedida para o vereador ir fazer a denúncia”.

Ainda em tempo, Flávio mostrou em plenário a ata, aprovada e assinada por todos os vereadores (exceto Edezyo Jalled que já estava licenciado), da sessão em que a Vereadora Zuleide confirma ter ido a convenção estadual do seu partido tendo recebido diárias da Câmara. Apesar de ter assinado a ata, a vereadora negou ter feito a afirmação.

Três passagens da Sessão chamaram a atenção dos presentes e com certeza dos ouvintes:
Primeira: as discussões entre a vereadora Zuleide e o vereador Genival, onde Zuleide negava ter dito que votaria contrário ao projeto dos temporários e o vice-presidente confirmou que ela tinha afirmado tal intenção.

Segunda: O vereador Genival exigiu da presidente Lélia de Oliveira o fiel cumprimento do Regimento Interno da casa.
Terceira: a discussão entre as vereadoras Lélia e Alice em que a presidente chamou a secretária da Mesa, daquele adjetivo que o líder da oposição chamou a presidente no primeiro mandato dela como Chefe do Legislativo (não publicaremos palavra tão desvirtuosa).

Outra conclusão não se poderia tirar desta Sessão: Uma tarde triste para a história do Legislativo Municipal.