7 de março de 2017

26% das escolas do Ceará serão de tempo integral até o fim do ano

Camilo quer que a ampliação do ensino médio em tempo integral no Ceará seja referência no País (Foto: Marcos Studart)
Até o fim deste ano, 26% das 712 escolas da rede pública cearense devem oferecer ensino médio em tempo integral. Isto porque o Governo do Estado quer entregar as reformas de 45 unidades de ensino médio regular adequadas para acolher estudantes das 8 às 17 horas. As escolas serão somadas às 26 outras que já foram adaptadas em 2016 e às 116 instituições de educação profissional, totalizando 187.

A ampliação da oferta do ensino integral no Estado foi anunciada pelo governador Camilo Santana (PT) na manhã de ontem, 6, no Centro de Eventos (CEC). Segundo ele, a intenção é transformar o ensino integral em política pública. “A Secretaria da Educação (Seduc) já está fazendo todo um trabalho de parceria, inclusive com ONGs, para que a gente possa traçar um calendário com prazos e metas”, afirmou.

Só em 2017, serão investidos no Programa de Ensino Médio Integral R$ 108,8 milhões. De acordo com o secretário da Educação, Idilvan Alencar, o esforço acompanha os planos nacional e estadual de Educação.

Segundo a secretária da Educação de Fortaleza, Dalila Saldanha, a Capital conta com 21 unidades de ensino fundamental integral e, ao longo da atual gestão do prefeito Roberto Cláudio (PDT), estão previstas as construções de mais 19.

Das 45 unidades de ensino médio regular que devem ser reformadas e entregues este ano, 17 são em Fortaleza, conforme a Seduc. Em construção, entre regulares e de ensino profissional, a pasta contabiliza 100 escolas — nem todas com entrega para este ano.

O diferencial das escolas de ensino médio em tempo integral, segundo o Governo, é dar a possibilidade ao aluno de ele mesmo montar seus componentes curriculares com base em aptidões e objetivos profissionais, desde que estes sigam eixos temáticos sugeridos pela Seduc, como: educação em direitos humanos; educação científica; formação profissional em informática; educação ambiental e sustentabilidade; mundo do trabalho; comunicação, uso de mídias, cultura digital e tecnológica; esporte, lazer e promoção de saúde; artes e cultura, entre outros. 

Com informações O Povo Online