4 de março de 2017

Conclusão da transposição do rio São Francisco pode ter novo adiamento

Reunião na Assembleia Legislativa apresentou prazo para conclusão de eixo norte das obras de transposição (Foto: Mariana Parente)
Com histórico de atrasos, a conclusão das obras de Transposição do rio São Francisco deve ser adiada novamente. Documento do Ministério da Integração Nacional apresentado ontem aponta o primeiro semestre de 2018 como prazo para entrega do trecho do eixo norte, que liga o rio ao Ceará. Segundo a Secretaria de Recursos Hídricos do Estado (SRH), o Governo “já trabalhava com essa perspectiva”. A finalização das obras estava prevista para outubro deste ano.

A data foi apresentada ontem, em reunião da Comissão Especial para Acompanhar e Monitorar as Obras de Transposição do Rio São Francisco, da Assembleia Legislativa do Ceará, pelo secretário de Desenvolvimento Regional do Ministério, Marlon Cambraia. De acordo com ele, a meta, classificada como “pessimista”, foi posta “por dever de cautela do corpo técnico”.

Para o deputado Carlos Matos (PSDB), presidente da comissão, o adiamento é “um verdadeiro absurdo” que pode causar “relaxamento na conclusão” da obra. “Fomos surpreendidos. Pode ser uma estratégia do governo. É um cronograma político que gera zona de conforto. O ministério já relaxa, num calendário político que nos preocupa muito. Eu, sendo dono da construtora, acharia muito bom, não teria problema em atrasar”.

Diante das críticas, o secretário Marlon Cambraia recuou e afirmou que rechaça a decisão, tomada pelo corpo técnico do ministério, de adiar a data. Segundo ele, o prazo foi fixado mais por cautela em face de acontecimentos “supervenientes” imprevisíveis.

“Eu desautorizo essa informação posta lá (no documento apresentado na AL). Nossa intenção é concluir as obras no eixo norte, que atinge diretamente o Ceará, no mais tardar em setembro e outubro de 2017”, disse, chamando essa previsão de “otimista”.

A SRH revelou, contudo, que “o governo já trabalhava” com o prazo de conclusão no início de 2018. Também admitiu que pode se estender ainda mais. Conforme a assessoria da secretaria, “o processo de licitação tem aspectos que fogem à governança”, mas esclarece que o Governo do Estado “tem feito todos os esforços” e espera que, a conclusão “aconteça nesse prazo ainda”.

Eduardo Martins, presidente da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), afirma que prazo para 2018 “é muito arriscado”.

“Esses calendários ‘pessimistas’ têm se mostrado realistas, diante dos atrasos que a gente vem recebendo. Tem sido consistente isso. É importante manter a pressão para mostrar a gravidade da situação que estamos vivendo”, alertou.

Com informações O Povo Online