11 de março de 2017

Obras da transposição estão no centro de disputa política entre Temer e ex-presidentes petistas

Temer visitou ontem Paraíba e Pernambuco onde acompanhou trabalhos das obras de transposição (Foto: Beto Barata)
Obra na qual já foram gastos mais de R$ 8 bilhões ao longo de dez anos, políticos disputam a paternidade da transposição do rio São Francisco. O projeto, que beneficia a população de quatro estados (PE, CE, PB e RN), é um sonho antigo da população sertaneja. Por isso, assumir a responsabilidade por sua entrega significa vantagens eleitorais para 2018 no Nordeste.

A região tem sido reduto do PT por mais de uma década. É também nela onde a popularidade do atual presidente Michel Temer (PMDB) é mais baixa. Desde dezembro, ele cumpre agenda com visitas mais frequentes a esses estados.

Ontem (10/03) Temer esteve na Paraíba e em Pernambuco para acompanhar trecho da transposição. “Não quero a paternidade dessa obra, ninguém pode tê-la. A paternidade é do povo brasileiro e do povo nordestino. Vocês é que pagaram impostos ao longo do tempo para que pudéssemos fazer grandes investimentos nessa obra que vai cada vez mais sendo festejada”, disse em resposta a declarações de petistas.

Um dia antes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia comentado o assunto. “Muita gente disse que era impossível fazer a transposição do rio São Francisco. Quem estava no poder estudava, estudava, mas nada fazia. Até que Lula foi lá e fez. Em 2007, as obras começaram”, afirmou nota no Facebook do petista.

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) negou que tenha havido paralisação das obras durante seu governo, um dos motes de campanha de seu rival Aécio Neves (PSDB) em 2014. Temer também costuma culpar a gestão de Dilma por atrasos nos dois trechos.

O deputado federal da base Raimundo Gomes de Matos (PSDB) disse que o PT costuma querer assumir paternidade de tudo. “O traçado do projeto, orçamento, impacto ambiental, ficou tudo pronto no último ano do Fernando Henrique Cardoso. Ele teve a responsabilidade de não executar a obra a toque de caixa para ter a paternidade como muitos dos projetos que o PT fez”, afirmou.

Já o líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT), disse que, mesmo que os adversários tentem tirar os méritos de Lula na conclusão dos trabalhos, não terão força no Nordeste. “Essa obra é do Lula, ninguém teve coragem de fazer, foi ele que iniciou. PSDB dizia que era loucura, viviam constituindo comissão na Câmara para denunciar a obra. Agora vem fazer festa com o chapéu alheio”, critica o parlamentar cearense.

Para o deputado Danilo Forte (PSB), a finalização da transposição foi resultado de esforço conjunto. “Eu acho que ninguém pode negar a coragem de Lula por causa dessa obra. Mas não pode ser de novo ser transformada em moeda eleitoral”, afirmou.

Com informações O Povo Online