31 de julho de 2017

"Esquerda cega" por Ítalo Coriolano

Encerramento da 23ª edição do Foro de São Paulo (Foto: Divulgação)
Tem notícia que você lê e não acredita. Procura outras fontes torcendo para se tratar de “fake news” e, infelizmente, constata a veracidade do conteúdo. Foi o que aconteceu quando deparei com a informação de que os principais partidos de esquerda do Brasil - PT, PCdoB e PDT - assinaram uma resolução, no 23º Encontro do Foro de São Paulo, em apoio ao regime de Nicolás Maduro, presidente da Venezuela que enfrenta ampla oposição e tenta empurrar goela abaixo da população uma Constituinte que ampliará seus poderes rumo a um Estado totalitário.

Maduro, cuja popularidade só não é menor que a do presidente Michel Temer, é chefe de um governo responsável, até a última sexta-feira, por boa parte das mortes de 113 pessoas desde o início dos protestos em abril. Outras 4 mil, segundo a Procuradoria-Geral venezuelana, já foram encarceradas por participarem de manifestações que pedem a saída do sucessor de Hugo Chávez.

Sem compreender ou aceitar o fracasso da chamada “Revolução Bolivariana”, aliados insistem em alegar que tudo não passa de uma ação orquestrada da direita e do imperialismo ianque. Não! É a ampla maioria da sociedade venezuelana, sem distinção de classe social ou vertente ideológica, que não aceita mais os desmandos de Maduro e, por isso, é duramente reprimida. Um governo que ataca diariamente a democracia sendo defendido por siglas que se dizem democráticas. Ou seja, é autoritário mas reza pela cartilha de Karl Marx? Então está valendo. Mesmo que isso signifique legitimar tantas práticas violentas.

Desta forma, os partidos que tentam voltar ao comando do País após o impeachment de Dilma Rousseff entregaram de bandeja na mão da oposição mais uma arma de descrédito contra essas forças que enfrentam alto desgaste. No momento em que PT e companhia precisam se reinventar sob o risco de minguarem eleitoralmente, preferem endossar um projeto ultrapassado e perigoso. Um desserviço ao campo progressista. Um verdadeiro tiro no pé que se junta à coleção de outras derrapadas que já cobram seu preço.

Publicado originalmente no portal O Povo Online