16 de outubro de 2017

“Estão com medo do Tasso Jereissati?” por Fabrício Moreira da Costa

Estava lendo, há pouco, um artigo no O Povo escrito pelo Deputado José Sarto, acerca da possibilidade do senador Tasso Jereissati colocar seu honrado nome, em 2018, à disposição dos cearenses como candidato ao governo do Estado.

Nesses longos anos de vida pública partidária, seja no exercício de mandatos eletivos ou não, já acompanhei, li, observei, já fui partícipe de tudo um pouco; porém, após o suposto acordo entre PMDB e FGs, fatos interessantes me chamam atenção. 

- Primeiro, é a insistência de forma demasiada, dos então litigantes em referência, agora mandarem recados, escreverem bilhetes, etc, ao senador Eunício Oliveira, Cid e governador Camilo Santana, que a União do trio é algo tão maravilhoso como tomar banho no Rio Salgado cheio de ponta a ponta após seis anos de seca em minha Icó.

E pasme, o governo e seus aliados, chegam ao ridículo, em discurso, artigos e em jornais, idem, querer(em) mostrar a um homem experiente como o senador Tasso Jereissati, ao próprio, que sua candidatura não é legal, nao vale a pena; que ele não precisa disso...e chegam a um ponto que beira a profecia do apocalipse: Tasso é doente, não suporta uma candidatura.

Quem tem lido as reflexões do festejado jornalista Fábio Campos, por certo, já entendeu:

- o governo quer escolher o seu adversário, e bom mesmo seria o Augusto Correia Lima de Iguatu (eterno candidato na Terra da Telha), que em 2012, queria ser candidato sem está filiado a qualquer partido político.

E por fim: "num acordo os gastos de campanha são menores para todos".

O bom mesmo é a discussão das ideias!