28 de outubro de 2017

PT cearense apresenta quatro nomes para disputa do Senado

Com “nomes para ofertar”, conforme o presidente estadual Francisco de Assis Diniz, o PT no Ceará abre quatro vias para indicação de chapa para o Senado Federal nas eleições de 2018. A lista petista, que contava com três nomes, cresceu ontem, durante encontro estadual da sigla, após lançamento do nome de Nelson Martins, titular da Casa Civil do Governo do Ceará.

No encontro da executiva estadual com prefeitos e vice-prefeitos petistas no Ceará, De Assis revelou ao jornal O POVO que Nelson Martins está na disputa, compondo time de “excelentes nomes do partido” para o cargo, junto do atual senador José Pimentel e os deputados federais José Guimarães e Luizianne Lins.

Publicamente, o discurso de Nelson é de que não está na disputa. “Não sou candidato a nada. Não fui candidato nem em 2014, porque estava na Secretaria de Desenvolvimento Agrário, que tem boa abrangência. O assunto não foi abordado comigo. Não tenho essa pretensão”, desconversou o secretário.

Contudo, De Assis revela que o lançamento do nome do secretário parte do próprio partido. “Nelson não se apresentou; fomos nós. Quando fizemos, ele disse ‘me deixe quieto’”, contou o presidente da sigla no Ceará.

Para ele, Nelson tem “simplicidade e generosidade” e, “se for chamado, vai estar à disposição”, por ser “um dos melhores quadros que o partido tem”. Ainda segundo José Guimarães, Nelson Martins “está pronto para qualquer missão no Ceará”, apesar de já exercer a de “governar com Camilo”.

Na visão de De Assis, “é bom que haja disputa”. Resgatando o período em que Lula disputou prévias para o Senado com Eduardo Suplicy, ele afirma que “o PT é feito de concepções”, e que é natural “defesas de posições”. “Agora, quando o PT unifica com votação seu posicionamento, aí todos se centralizam”, garante.

Guimarães conta que já existe destaque ao “objetivo de montar nossa chapa” nas reuniões dos petistas cearenses, e que “não se trata de pensar” um candidato, “mas o projeto completo para o PT”.

“É o que estamos fazendo: ancorando na questão Lula e Camilo a nossa chapa estadual, federal e de senador”, disse o deputado federal.

Com uma vaga já encaminhada para o ex-governador Cid Gomes (PDT), o PT ficaria com o segundo nome na chapa – visto que em 2018 o eleitor escolhe dois candidatos –, formada pela aliança local entre os dois partidos.

Essa previsão inicial, porém, aparenta ficar cada vez mais distante. Em agosto, a presidência nacional do PDT anunciou o deputado federal André Figueiredo em composição de chapa com Cid, tese que foi reforçada pelo secretário-geral da sigla, Manoel Dias, durante convenção estadual no último dia 13.

Dando sinais de aproximação com Eunício Oliveira (PMDB) – após declaração, este mês, reconhecendo ser “eleitor de Lula” –, petistas acionaram alerta para tentar inviabilizar aliança com o peemedebista. “Vamos reivindicar uma vaga ao Senado”, disse o deputado estadual Elmano de Freitas ao jornal O POVO.

Conforme De Assis, o PT do Ceará “não vai abrir mão do que tem” no Estado e deve disputar pelo menos uma vaga para o Senado Federal. “Nós vamos à luta, não vamos abrir mão porque alguém lançou uma chapa. Não é porque o PDT lançou (a chapa), que vai acontecer”, garantiu.

Com isso, há possibilidade de que o PT componha chapa própria, mantendo José Pimentel em uma vaga.

Com informações portal O Povo Online