21 de outubro de 2017

Apoio de Eunício a Lula amplia divisão em grupos do PT

A declaração do senador Eunício Oliveira (PMDB) de que o ex-presidente Lula é seu candidato a presidente jogou combustível nas tensões internas do PT. A fala foi dada com exclusividade ao jornal O POVO.

As divisões na legenda podem, inclusive, inviabilizar aliança com o peemedebista. O partido, que ocupa hoje uma das vagas do Estado no Senado, com José Pimentel, pretende continuar com ela, o que frustraria planos de Eunício.

"Temos construção no PT da eleição do Lula e reeleição de Camilo, mas vamos reivindicar uma vaga ao Senado", afirma o deputado estadual Elmano de Freitas (PT), um dos interlocutores do grupo liderado pela deputada e ex-prefeita Luizianne Lins.

Elmano condiciona possível aliança com Eunício a um conjunto de programas, como a reversão da reforma trabalhista aprovada pelo governo de Michel Temer (PMDB).

Ligada ao governador Camilo Santana (PT), a deputada estadual Rachel Marques (PT) disse, porém, que a prioridade do partido é a reeleição do chefe do Executivo estadual e a eleição do ex-presidente Lula.

Questionada sobre a vaga no Senado, a parlamentar afirmou que o partido deve se posicionar sobre o assunto. "Isso passa pela direção partidária, pelo encontro do PT que vai definir a tática eleitoral", disse.

Presidente estadual do PT, Francisco de Assis Diniz afirmou que a declaração de Eunício foi recebida com “bons olhos” entre petistas. De Assis se encontra hoje à tarde com Lula, em São Paulo, onde discute estratégias para 2018.

O líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado Capitão Wagner (PR), vê aproximação entre Eunício e Lula como natural. Segundo ele, esse movimento entre as duas lideranças pode consolidar a aliança para o ano que vem, já que o petista pediu votos para o peemedebista, em 2010, que fez parte do seu governo como ministro das Comunicações no primeiro mandato.

Na expectativa de acordo entre o senador Tasso Jereissati (PSDB) e o peemedebista para as próximas eleições, o deputado Carlos Matos (PSDB) tentou minimizar a fala de Eunício ao alegar que "a declaração, no momento, é vazia" porque "a chance de Lula ser candidato ainda é incerta".

O tucano citou reunião que Tasso terá com Eunício na próxima semana em Brasília para discutir a eleição do ano que vem.

Com informações portal O Povo Online