1 de dezembro de 2017

Ceará terá estudo para desenvolver o agronegócio

Depois de cinco anos consecutivos de seca, e ainda com cenário preocupante que se desenha para a próxima quadra chuvosa, o Governo do Ceará contratará consultoria para mapear a produção nos diferentes Agropolos do Estado. 

Fará novo levantamento sobre a situação da agricultura irrigada e do agronegócio cearense como um todo. Um dos objetivos do documento é traçar estratégias no médio e longo prazo para o setor.

A consultoria será contratada por meio de edital de licitação, do tipo técnica e preço, e vai elaborar estudo sobre a adequação espacial dos polos de produção, bem como atualizar o panorama do agronegócio local. Serão geradas informações e indicadores sobre áreas irrigadas, número de produtores, produtos cultivados, geração de empregos diretos e indiretos, além de outros dados referentes aos segmentos de fruticultura, floricultura, horticultura, entre outros.

O certame está sendo conduzido pela Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece), de onde virão os recursos para pagar a consultoria. O valor é estimado em R$ 144,6 mil. Podem participar da licitação qualquer empresário individual ou sociedade regularmente estabelecida no Brasil, desde que tenham expertise no setor agropecuário.

Os envelopes com as propostas serão abertos no próximo dia 2 de janeiro de 2018. O vendedor do certame terá prazo de três meses para realizar a consultoria, contados a partir da assinatura do contrato, que vai durar nove meses. “Os problemas climáticos ocorridos nos últimos cinco anos, com as chuvas abaixo da média histórica, afetaram os fatores que influem na produção e na sustentabilidade. 

Atualizar as informações sobre a agricultura irrigada e os agronegócios é fundamental para aperfeiçoar as ações a serem desenvolvidas e fortalecer as cadeias produtivas”, justifica o Governo.

O diretor de Agronegócio da Adece, Sílvio Carlos Ribeiro, explica que o estudo vai acompanhar os setores das 11 câmaras do agronegócio do Governo. “Já acompanhamos os polos, mas precisamos validar os dados”, diz.

Ele acrescenta que, com o documento da consultoria em mãos, o Governo vai dar maior peso na atração de empresas do agronegócio para o Estado. “É importante para quem quer investir, para saber onde ficam os polos, importante para o Estado saber onde precisa de planejamento maior, para conhecer onde se produz, o que se produz e o quanto a gente pode expandir essa produção”, afirma.

Com informações portal O Povo Online