3 de dezembro de 2017

Nem tudo está tranquilo: PT quer manter vaga no Senado; Ivo critica aliança Camilo-Eunício

Camilo e Eunício voltaram a dividir palaque ontem, no Crato (Foto: Divulgação)
Um dia após o senador Eunício Oliveira (PMDB) reforçar aliança com o governador Camilo Santana (PT), ao dividir palanque com o petista em Limoeiro do Norte, dois episódios indicam que a união entre os dois pode gerar descontentamentos. Ontem (02/12), o diretório estadual do PT aprovou resolução dizendo que não vai abrir mão da vaga para o Senado em 2018. O documento foi aprovado por unanimidade no partido. A aproximação política entre Camilo e o senador também provocou reação do prefeito de Sobral, Ivo Gomes, nas redes sociais.

Na rede social Facebook, o irmão dos ex-governadores Cid e Ciro Gomes (PDT) marcou publicação “se sentindo incomodado” com a possível aliança e comentou: “Lula fazendo escola no Ceará”. A crítica faz referência à postura do ex-presidente da República, que já afirmou que está “perdoando os golpistas” e tem se aproximado de nomes do PMDB como o senador Renan Calheiros. Um seguidor de Ivo perguntou ao prefeito se era verdade a união política entre Camilo e Eunício. “Acabei de ver pelo jornal”, respondeu.

O presidente estadual do PT, De Assis Diniz, defende que a relação entre Camilo e Eunício é “natural”, mas que precisa ser debatida se avançar com vistas às eleições de 2018. “O desdobramento para uma política de aliança, tirando a vaga de senador do partido, precisa ser conversado. O governador terá de apresentar os argumentos e nos convencer sobre isso”, declarou.

O dirigente, contudo, afirma que a resolução do PT não deve ser interpretada como um recado ao governador. O documento será encaminhada ao diretório nacional, que vai discutir entre os dias 15 e 16 outras propostas para definir a tática eleitoral adotada pelo PT no próximo ano. De Assis defende que as discussões para 2018 não podem se centrar no “chavão de ser golpista ou não”.

O deputado federal José Guimarães (PT), que subiu ontem no mesmo palanque de Camilo e Eunício no Crato, defende que resolução “não é crise, é solução”. “Vamos trabalhar para ter (vaga no Senado), mas a centralidade é a eleição do Lula e do Camilo. A partir disso, vamos dialogar com os companheiros”, minimiza.

Procurada, a assessoria de comunicação de Camilo disse que a “eleição será tratada ano que vem”. A equipe do senador Eunício Oliveira também foi contatada pelo jornal O POVO, mas não comentou o assunto.

Após o evento em Limoeiro do Norte, na última sexta-feira, 1º, o governador voltou a dividir palanque com o senador Eunício Oliveira, no Crato, durante entrega de 982 casas do projeto Minha Casa, Minha Vida.

Eunício admitiu a provável aliança com o governador no evento em Limoeiro do Norte. “É uma parceria para beneficiar a população cearense. Se isso resultar em uma parceria político-eleitoral, só o tempo dirá”, disse o senador.

Abandonando o discurso crítico em relação a Camilo, o movimento de aproximação entre os antigos rivais foi iniciado no segundo semestre deste ano.

Com informações portal O Povo Online