31 de maio de 2017

Temer apela e tucanos fazem defesa do governo

FHC e Michel Temer em foto de arquivo 
O presidente Michel Temer disse que foi vítima de uma "armadilha" montada em várias frentes, com o aval da Procuradoria-Geral da República, para desestabilizar o governo. Em conversa com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e também com o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), Temer pediu apoio do partido para a votação das reformas trabalhista e da Previdência e disse não ter dúvidas de que provará sua inocência no Supremo Tribunal Federal (STF).


"Eu não renuncio sob nenhuma hipótese", repetiu o presidente aos tucanos, dando a entender que a batalha pode ser longa, até mesmo na Justiça. No diálogo, Temer usou várias vezes a palavra "armadilha" e disse que o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) - flagrado recebendo uma maleta com R$ 500 mil - acabou caindo na "cilada" planejada pelos delatores da JBS.

Também participaram do encontro o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco (PMDB-RJ), e o ministro chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy.

Apesar da pressão das bases tucanas e da bancada da sigla na Câmara pelo desembarque dos tucanos do governo, o apelo do presidente surtiu um resultado imediato favorável ao governo, que tenta emplacar a narrativa que o pior já passou.

Com informações O Povo Online