7 de setembro de 2014

Pesquisa aponta avanço da direita

O brasileiro está mais identificado com ideias consideradas politicamente de direita, segundo pesquisa O POVO/Datafolha. Do ano passado para cá, cresceu a adesão às posturas ideológicas tradicionalmente identificadas com esse campo, ao passo que caiu o apoio a posições de esquerda.

Em novembro de 2013, havia empate técnico: 41% dos eleitores entrevistados tinham inclinação à esquerda ou centro-esquerda, enquanto 39% assumiam posicionamento oposto. Após nove meses, o resultado foi de 45% de apoio a posturas de direita ou centro-direita, enquanto a adesão ao pensamento contrário caiu para 35%. No centro, estabilidade: 20% nas duas pesquisas. 

Para traçar o diagnóstico do pensamento político brasileiro, o Datafolha perguntou aos entrevistados sobre temas que envolvem comportamento e economia. A partir das respostas, os eleitores foram classificados em escala de esquerda, centro-esquerda, centro, direita e centro-direita.

A pesquisa aponta aumento geral da adesão à direita e queda da esquerda, mas com diferenças. Em relação ao comportamento, a hegemonia direitista é considerável: 55% demonstram mais identificação com esse campo, enquanto os posicionamentos mais à esquerda somam 24%.

Mas, quando o assunto é economia, as posturas de esquerda são majoritárias, embora tenham tido variação negativa desde 2013. São 43% dos eleitores que se identificam mais com posturas econômicas desse campo de pensamento, contra 30% de adesão a conceitos de direita e centro-direita. Em novembro do ano passado, havia contraste maior. Os percentuais eram de 46% e 26%, respectivamente.

O Datafolha mostra que 65% da população do Brasil e 67% dos cearenses são contrários à mudança da legislação que considera crime o aborto, salvo em casos de estupro e de risco de vida da mãe.

A pena de morte tem apoio de 43% dos brasileiros e 45% dos cearenses, enquanto posições contrárias são de 52% e 47%, respectivamente. A proibição do comércio de drogas tem apoio de 82% no Brasil e 84% no Ceará. A aceitação da homossexualidade é defendida por 64% dos brasileiros e 63% dos eleitores cearenses. E punição a adolescentes que cometem crimes igual à aplicada aos adultos tem 76% de apoio no Brasil e 75% no Ceará. A pesquisa ouviu 10.054 eleitores em 361 municípios brasileiros entre 1º e 3 de setembro. A margem de erro é de três pontos percentuais.

A classificação em esquerda e direita remonta ao lugar que os grupos ocupavam na Assembleia Nacional da Revolução Francesa. Associa-se direita à menor presença estatal, enquanto a esquerda defende mais presença do Estado. Em relação ao comportamento, a esquerda é vista como mais liberação e menos regulação. Mas esses entendimentos mudaram ao longo dos tempos.

Com informações O Povo Online