18 de janeiro de 2015

O que promete o "novo" Parlamento do Ceará

Plenário da Assembleia Legislativa do Ceará - Foto Bia Medeiros
Novatos em mandatos eletivos já têm elencados os temas que deverão nortear suas atuações na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, cujo plenário começarão a frequentar em fevereiro. 

Deputado estadual mais votado no Ceará em 2014, o ex-vereador Capitão Wagner (PR) diz que “logicamente a segurança será tema de destaque” na sua atuação na Assembleia. Dentre os projetos de lei que pretende apresentar, Wagner cita um pelo qual presos trabalhariam nas cadeias para, com seus salários, ajudar as próprias famílias e as daqueles prejudicados pelos crimes que cometeram.

Os detalhes da proposta em questão, segundo Wagner, seriam discutidos até amanhã com o secretário estadual da Justiça, Hélio Leitão. “A ideia é que não seja um projeto de governo de governo, e sim de Estado”, disse o deputado.

Candidato a prefeito em 2012, Elmano de Freitas (PT) já comunicou aos futuros colegas de Assembleia a intenção de presidir a comissão da educação. “Fui secretário da Educação em Fortaleza (na gestão Luizianne Lins), tenho experiência com educação popular, acho que posso colaborar”.

Além de dedicar-se a temas como reforma agrária e desenvolvimento econômico, Elmano diz querer usar o mandato de deputado para fortalecer a militância petista. “Farei um esforço grande para ajudar meu partido a se reaproximar com os movimentos sociais”.

Outro prestes a iniciar o primeiro mandato eletivo, Renato Roseno (Psol) promete fazer na Assembleia não o debate de temas em separado, mas a crítica ideológica de conjunto, anticapitalista.

“Nosso mandato será de oposição, de luta. Não será propriamente especializado. Estará a serviço das lutas sociais”, afirma Roseno.

Caras novas na Assembleia Legislativa

Capitão Wagner (PR) Cara nem tão nova na Assembleia (como suplente, exerceu mandato por quatro meses entre 2011 e 2012), Wagner volta como eleito, priorizando assuntos relativos à segurança pública, saúde e abastecimento de água.

Elmano de Freitas (PT) Candidato a prefeito em 2012, derrotado por Roberto Cláudio (Pros), Elmano quer dedicar-se especialmente à educação, desenvolvimento econômico, política agrária e ao fortalecimento da militância petista no Estado.  

Renato Roseno (Psol) Depois de receber expressiva votação para deputado estadual e concorrer a prefeito de Fortaleza, o socialista promete ser a voz do confronto ideológico na Assembleia Legislativa. Deverá ser pautados ainda pelas demandas dos movimentos sociais.

Carlos Matos (PSDB) O PSDB, maior partido do Estado na época do governador Tasso Jereissati, perdeu seus últimos deputados durante o governo Cid Gomes (Pros). Caberá a Matos representar os tucanos na Assembleia.

Com informações O Povo Online