11 de outubro de 2018

Médicos alertam: ”Prática ética da medicina é incompatível com o Fascismo”


Cerca de 13 mil médicos e estudantes de medicina de todo o país organizaram no Facebook um grupo para enfrentar o fascismo que avança a passos largos no Brasil. Denominado Médicos contra o Fascismo, o grupo publicou uma nota, que também é abaixo-assinado.

A nota intitulada “Médicos contra o Fascismo” inicia alertando que  prolongada crise política e econômica que vivemos no Brasil tem levado ao crescimento assustador de posições radicais e intolerantes e que a incerteza e o medo têm sido usados ao longo da História por grupos que tentam impor seus interesses à revelia dos direitos e desejos das pessoas e em nosso quadro caótico profissionais do ódio têm tido sucesso em apresentar suas “soluções” como única saída.

Alerta que que a verdadeira polarização destas eleições não está entre projetos de governo, planos econômicos diversos, partido A contra partido B, a verdadeira polarização está entre a Civilização e o fascismo, e, ressalta:

“O fascista defende a tortura
O fascista defende a violência
O fascista põe a culpa na vítima
O fascista é racista, machista, misógino, homofóbico e só aceita uma religião
O fascista despreza o que é diferente
O fascista não aceita que você fale, apenas que repita.
O fascista não ouve porque já decorou”

Os médicos deixam claro que prática ética da medicina é incompatível com o conjunto de “valores” defendido pelos fascistas e que nestas eleições o fascismo tem nome e sobrenome e é contra ele que reunimos um grupo significativo de Profissionais e Estudantes de Medicina de todo o país.

“O fascismo tem a cara da morte, a Medicina tem a cara da Vida”.

No final transcrevem normas do Código de Ética Médica e a nota é encerrada com as Hastag #MedicosContraoFascismo #EleNao

Médicos e estudantes de todo o Brasil ainda estão assinando o abaixo-assinado segundo os organizadores da Nota.