22 de outubro de 2018

Vídeo em que Eduardo Bolsonaro fala sobre fechar STF gera polêmica

Imagem capturada do vídeo divulgado nas redes sociais

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), disse que, para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), "basta um soldado e um cabo". Ele afirmou ainda que, se o STF impugnasse a candidatura de seu pai, teria "de pagar para ver o que acontece". As declarações geraram reação da oposição.


O vídeo foi feito durante aula em um curso preparatório para prova da Polícia Federal, em Cascavel (PR). Foi o próprio curso que divulgou o vídeo em sua página. A fala do deputado veio após o questionamento de alunos sobre o que ocorreria caso a candidatura de Bolsonaro fosse impugnada.

"Mas, aí, vai ter de pagar para ver. Será que eles vão ter essa força mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF, você sabe o que faz. Você não manda nem um jipe. Manda um soldado e um cabo. Sem querer desmerecer o soldado e o cabo".

A oposição reagiu imediatamente. O candidato Fernando Haddad comparou a família Bolsonaro a "um grupo de milicianos". "Esse pessoal é uma milícia. Não é um candidato a presidente. É um chefe de milícia. Os filhos deles são milicianos, são capangas", afirmou.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) comentou o vídeo, em sua conta no Twitter. "As declarações do deputado Eduardo Bolsonaro merecem repúdio dos democratas", escreveu. "Prega a ação direta, ameaça o STF. Não apoio chicanas contra os vencedores, mas estas cruzaram a linha, cheiram a fascismo."

Guilherme Boulos (Psol) afirmou, também no Twitter, que o vídeo "mostra bem o descompromisso dessa turma com a democracia". "Aos setores do Judiciário que impulsionaram a onda antidemocrática no País fica o dito espanhol: 'cria cuervos y te sacarán los ojos'", acrescentou ele.

Em entrevista na tarde de ontem, Jair Bolsonaro disse desconhecer o vídeo. "Isso não existe, falar em fechar o STF. Se alguém falou em fechar o STF precisa consultar um psiquiatra". "Desconheço esse vídeo. Duvido. Alguém tirou de contexto."

Após a repercussão, Eduardo Bolsonaro recuou, afirmando que nunca defendeu tal posição. "Se fui infeliz e atingi alguém, tranquilamente peço desculpas e digo que não era a minha intenção", afirmou em seu perfil das redes sociais. Ele justificou que o vídeo foi gravado há quase quatro meses e atribuiu sua publicação agora à proximidade das eleições.

"Eu respondi a uma hipótese esdrúxula, onde Jair Bolsonaro teria sua candidatura impugnada pelo STF sem qualquer fundamento. De fato, se algo desse tipo ocorresse, o que eu acho que jamais aconteceria, demonstraria uma situação fora da normalidade democrática. Na sequência, citei uma brincadeira que ouvi de alguém na rua", explicou.

Eduardo Bolsonaro disse ainda que o vídeo não é motivo para alarde, e que ele mesmo o publicou. Disse estar com "consciência tranquila" e que o momento é de "acalmar os ânimos".

Com informações portal O Povo Online

Leia também: