13 de junho de 2015

Para o novo presidente do TRE-CE "Eleições unificadas são inviáveis"

O novo presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE), Antônio Abelardo Benevides Moraes, afirma que eleições unificadas para as três esferas do poder seriam impraticáveis. 

O tópico faz parte da reforma política que tramita na Câmara dos Deputados. O desembargador tomou posse do cargo ontem no Tribunal de Justiça. 

“O ministro Dias Toffoli disse que fizeram um cálculo que eleições unificadas teriam em torno de 3 milhões de candidatos. Eu acho inviável, impraticável”, diz Benevides Moraes. A declaração reflete um posicionamento oficial do Colégio de Presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais.

Ainda sobre a reforma política, o desembargador argumenta que o financiamento exclusivamente público de campanha pode atrair mais corrupção. A proposta prevê que todos os candidatos recebam recursos públicos para realizar suas campanhas.

“Quantos não se candidatariam para receber esse recurso sem gastar um tostão ou ter nenhum voto?”, pondera. Já o financiamento de empresas, afirma, teria de ser vigiado de perto e regulamentado.

A corregedora e nova vice-presidente TRE, Maria Nailde Pinheiro Nogueira, afirma que, se aprovado na Câmara, o voto distrital para 2016 poderia causar um tumulto técnico. “Precisamos educar as pessoas que trabalham neste assunto”, destaca.

Só o processo de rezoneamento eleitoral, que entra em prática a partir de julho, levou 18 anos meses de trabalho para ser elaborado. O voto distrital requereria ainda mais esforço do órgão em pouco tempo.


Com informações O Povo Online