6 de junho de 2017

Camilo questiona eleição direta: "Tem lógica?"

Na contramão do Partido dos Trabalhadores, que decidiu não participar de provável eleição indireta no Congresso Nacional — em caso de queda do presidente Michel Temer (PMDB) —, o governador Camilo Santana (PT) questionou a “lógica” de uma eleição direta para um ano de mandato presidencial. 

A medida é defendida pelo PT como a única saída para solucionar a crise política no País.


“O que a Constituição diz? Diz que primeiro tem que ter a vacância do cargo. No caso de vacância do cargo, a Constituição diz que são eleições indiretas. Para ser uma eleição direta tem que haver uma decisão do Congresso Nacional. E aí vamos fazer eleição direta com mandato de um ano? Tem lógica isso pro Brasil? Acho que o Brasil tem que pensar em fazer uma grande reforma política”, defendeu ontem antes da posse da nova presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE), na sede do Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE).

Questionado pelo jornal O POVO sobre a decisão do partido que, no 6° Congresso Nacional, deliberou pela defesa das diretas e boicote ao colégio eleitoral em caso de eleição indireta, o governador alegou não defender as eleições indiretas.

“E eu estou defendendo eleição indireta? Eu não estou defendendo eleição indireta. Eu estou defendendo o que diz a Constituição”, retrucou. A Constituição, porém, prevê eleição indireta.

O presidente estadual do PT, De Assis Diniz, afirmou, no último sábado, 3, que o partido, além de rejeitar qualquer participação na eleição indireta, “nenhuma liderança do partido pode defender a proposta”

Empossada para o biênio 2017-2019, a nova presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE), desembargadora Maria Nailde Pinheiro, assegurou que o órgão está pronto para realizar uma eleição direta em caso de alteração no texto da Constituição com a possível queda do presidente Michel Temer (PMDB).

“Constitucionalmente não há previsão de eleição direta, a não ser que haja modificação na legislação. Mas eu asseguro que o Tribunal está pronto para cumprir qualquer determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”, afirmou momentos antes do ato de posse que ocorreu na tarde de ontem (05/06) na sede do Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE). 

O desembargador Haroldo Máximo foi empossado como vice-presidente e corregedor eleitoral. 

Com informações O Povo Online