28 de novembro de 2017

Tasso desiste de comandar PSDB

O senador Tasso Jereissati ao lado de parlamentares tucanos e dirigentes do PSDB em São Paulo (Foto: Divulgação)
Pressionado o senador Tasso Jereissati anunciou ontem (20/11) a sua desistência da disputa pela presidência do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) na convenção nacional do partido, marcada para o próximo dia 9 de dezembro, em Brasília.

Na sequencia o governador de Goiás, Marconi Perillo, também desistiu da disputa. Com o gesto, eles abriram caminho para o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, assumir o comando da legenda, buscar a unificação da sigla e fortalecer seu nome como candidato para a Presidência em 2018.

“Nunca me coloquei como pré-candidato, mas, se for para ajudar a unir o partido, vamos avaliar”, disse Alckmin ao participar na manhã de ontem de um fórum realizado pela revista Veja.

O desfecho representa uma solução para o impasse que quase levou o PSDB à implosão após o presidente licenciado, Aécio Neves (PSDB-MG), destituir Tasso - crítico do governo Michel Temer - do comando interino e substituí-lo por Alberto Goldman.

Entre os tucanos, uma aliança com o PMDB não está descartada, mas uma eventual defesa do governo na campanha é uma questão que ainda divide o partido. O Palácio do Planalto, contudo, com a articulação no PSDB, já vê uma brecha para possível composição eleitoral no próximo ano.

Assim como ocorreu com o senador Aécio Neves em 2014, Alckmin poderá disputar o Planalto em 2018 na condição de presidente do partido. No PSDB, as desistências de Tasso e Perillo foram encaradas como um gesto de unidade que vai fortalecer o nome do governador paulista como opção de “centro” para a eleição.

Com informações portal O Povo Online