29 de julho de 2018

PT decide não lançar nome ao Senado

Por 200 votos a 70, PT Ceará decide que não terá candidato ao Senado; (Foto: Aurélio Alves)
O PT no Ceará decidiu não lançar nome para o Senado. O entendimento aprovado em tática eleitoral, realizada na manhã de ontem, foi aprovado por 200 votos a 70. O resultado favorece as conversas do governador Camilo Santana (PT) para a composição final da chapa, mas endurece movimentos que ele poderia fazer em relação à candidatura de Ciro Gomes (PDT) ao Palácio da Abolição.

O encontro durou a manhã e parte da tarde do sábado em um hotel de Fortaleza. Logo na chegada, lideranças ligadas ao deputado federal José Guimarães cantavam vitória antes da discussão das teses que ainda seriam votadas. “O PT não vai lançar Senado, para para nós está decidido”, disse o presidente estadual do PT, Moisés Braz, ao O POVO na chegada do evento.

Guimarães, que tem maioria dos delegados, dizia desde o início do evento que a chance de a reunião aprovar um nome para o Senado era “zero”. O parlamentar lembrou que abriu mão de uma candidatura ao Senado em 2014 em nome da aliança para bancar o nome do então deputado estadual Camilo Santana para o Palácio da Abolição. Agora, defendeu, o movimento deveria se repetir.

Em nota oficial, o senador José Pimentel criticou a decisão do PT e previu que “as consequências dessa decisão serão históricas e percebidas a partir de 2019”. Como militante do partido desde 1979, o senador criticou duramente as lideranças petistas que indicaram a não postulação da candidatura. “Sou militante de base desde 1979. Quem entrou no PT depois aprendeu a fazer negócio”, declarou ao jornal O POVO.

Pimentel anunciou ainda que não disputará eleição neste ano. “Já fui deputado federal por 16 anos, e devo isso às famílias de bem do Ceará e ao meu partido. Acredito que o que eu tinha que colaborar com a Câmara Federal eu já fiz. Se você observar sou um dos poucos políticos no Brasil que não precisa de foro privilegiado porque não respondo processo”, anunciou o petista ao ser questionado se voltaria à Câmara dos Deputados.

Mesmo lamentando a derrota, a deputada federal Luiziane Lins (PT) argumentou que ainda há a possibilidade de o partido reabrir a discussão já que há promessa de Guimarães de colocar em discussão a pauta do Senado caso o PDT lance duas candidaturas, como defende o candidato a presidente Ciro Gomes (PDT).

“Guimarães fez uma ressalva que eu considero importante. Ele deixou claro que se o PDT lançar dois nomes ele traz para a discussão e lança um. Eles que têm maioria se colocaram dessa forma. Se comprometeu perante todos os delegados”, declarou a ex-prefeita.

Questionado, Guimarães admitiu ao jornal O POVO que a discussão será reaberta caso a tese defendida por Ciro seja aprovada no partido aliado. “A política sempre é assim: você vai dormir hoje e amanhã é outra coisa. O PT está sempre aberto para discutir o que for necessário, sempre presidido pelo diálogo que nós temos com o governador. Qualquer alteração é com o governador. Se o PDT indicar dois, forçosamente nós vamos discutir”, admitiu.

Com informações portal O Povo Online