6 de julho de 2018

Queimada e desmatamento estão entre os problemas ambientais no Ceará


Desmatamento, queimada e falta de saneamento básico são os principais problemas ambientais do Ceará, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em estudo que analisa o Perfil dos Municípios Brasileiros em 2017, divulgado na manhã de ontem (05/07) o Instituto constatou que 42% das 184 cidades cearenses sofrem queimadas, 39%, falta de saneamento e 32%, desmatamento. Reforçando o cenário, a pesquisa constata que menos de 10% dos municípios investem diretamente em conservação e recuperação.

Outra ocorrência característica do Estado tem sido a diminuição da vazão de corpos d’água em 49 municípios, seguido de poluição e assoreamento em 21 e 17 cidades, respectivamente. Essa situação é comum a quase todos os estados do Nordeste e decorre tanto da ação humana direta como da escassa cobertura de saneamento e, no caso do Ceará, dos seis anos ininterruptos de seca. Os números se agravam quando são analisadas as consequência dessas ocorrências.

O estudo aponta, por exemplo, que, em 2017, dos 184 municípios do Estado, 88% tiveram perdas financeiras, 80% tiveram perdas de animais, 93% tiveram perdas ou redução da produção agrícola e 30% viram surgir ou aumentar áreas desertificadas — áridas, inférteis.

Para minimizar esses danos, a gestão pública cearense, ainda segundo o IBGE, tem priorizado escavação de poços, construção de cisternas e distribuição de água por carro-pipa. Outras ações menos emergenciais, porém, mais duradouras, como uso sustentável dos recursos naturais, recuperação da vegetação e incentivo público à agricultura adaptada ao clima e ao solo da região são menos disseminadas. Chegam a 50, 27 e 49 cidades, respectivamente.

Quando se trata da destinação de recursos financeiros para serviços de conservação e recuperação do meio ambiente, o estudo revela que somente 9,7% dos municípios se comprometem com o assunto.

Todos esses, que se resumem a 18 cidades, investem recursos próprios. Somente um recebe, também, capital federal, privado e oriundo de doações.

Com informações portal O Povo Online