7 de março de 2015

Tasso declara que "Impeachment" de Dilma não é o caminho

O senador Tasso Jereissati (PSDB) afirmou ontem que a crise pela qual passa o governo Dilma Rousseff (PT) é complicada, mas que o impeachment à presidente, no momento, “não é o caminho”

A declaração foi dada ontem, durante palestra proferida no 6º Congresso do Ministério Público da Região Nordeste. O grão-tucano diz que o impedimento da presidente “é uma coisa que não se pode propor assim, de uma maneira tão simples”.

Tasso atribui a campanha em defesa da saída de Dilma do Planalto a uma suposta “descrença na classe política”. Isso levaria ao flerte com saídas extremas, como o impeachment e o retorno dos militares ao poder. O senador, entretanto, afirmou a jornalistas que “é preciso esperar para saber o que vai ocorrer no campo jurídico”.

A fala de Tasso ganha dimensão em virtude da figura que ele encarna. O tucano foi o principal cabo eleitoral de Aécio Neves (PSDB) no Estado e é uma das fortes figuras da oposição a Dilma. Sua temporada fora do Senado, de 2011 ao início 2015, foi patrocinada por um esforço pessoal do então presidente Lula (PT) e, desde seu retorno, foi apontado, juntamente com os correligionários Aécio e José Serra (PSDB), como uma linha de frente da oposição ao governo na Câmara Alta.

As investigações da Operação Lava Jato são classificadas pelo ex-governador do Ceará como um “terremoto”. Durante a palestra, Tasso chegou a afirmar que não havia visto uma crise das proporções que assumiram as deste início de segundo governo Dilma. A esperança do senador é de que ela sirva para “passar a limpo” a vida pública brasileira.

O tucano afirma também que o Senado ainda não tem muita clareza em relação à situação desenhada pelas investigações. “A gente está aguardando ainda o que está vindo da Justiça”, afirma. De acordo com Tasso, a próxima semana será fundamental.

Com informações O Povo Online