24 de março de 2015

Frentistas decidem hoje se postos abrem durante feriado

De acordo com a legislação federal, os postos de combustíveis desenvolvem atividade típicas de comércio e seu funcionamento em domingos e feriados está submetido ao que dispõe a lei.

Um dispositivo da legislação autoriza a sua abertura, desde que tenha acerto em convenção coletiva, que, conforme o Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo no Estado do Ceará (Sinpospetro-CE), expirou em 31 de dezembro de 2014. 

No feriado de São José (19/3), os postos de combustíveis de várias cidades da região metropolitana não funcionaram. O transtorno se estendeu a outras cidades do Estado o que pode se repetir amanhã se não houver acordo entre o Sinpospetro Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Ceará (Sindipostos).

Os postos de Juazeiro do Norte, na região do Cariri, não abrem hoje, feriado em homenagem ao aniversário de Padre Cícero, afirma o presidente do Sinpospetro.

Os trabalhadores decidem hoje se aceitam a nova proposta de reajuste salarial costurada com mediação do Ministério Público do Estado do Ceará (MP-CE). “É possível que haja um acordo”, afirmou o presidente do Sinpospetro, Ardilis Arraes.

Em reunião entre o Sinpospetro e o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Ceará (Sindipostos), o MP-CE sugeriu acordo que prevê reajuste de 8% no piso salarial, 15,5% no vale-refeição e 10% na cesta básica. O Sindipostos acatou a proposta, que não contempla todos os pontos que os frentistas vêm pleiteando, entre os quais 9% de reajuste salarial e 23% no vale-refeição.

“O Sinpospetro vai se reunir para deliberar sobre a proposta, que é bem vista até certo ponto. Vamos convocar a diretoria 7 horas e uma assembleia em caráter de urgência, com divulgação na Internet e com nossas formas de comunicação”, disse Arraes.

Ele ressaltou que todos os benefícios já conquistados serão mantidos.

“A população não tem que ser penalizada por um acordo coletivo. As propostas não tinham sido nem postas na mesa”, afirmou o presidente do Sindipostos, Vilanildo Jorge Gadelha Fernandes.

Com informações O Povo Online